Hora 7 Duas orcas se especializaram em matar tubarões-brancos gigantes, que fugiram aterrorizados

Duas orcas se especializaram em matar tubarões-brancos gigantes, que fugiram aterrorizados

Ataques ocorreram no litoral da África do Sul, uma área dominada por tubarões gigantes há séculos

  • Hora 7 | Do R7

Resumindo a Notícia
  • Uma pesquisa revelou que duas orcas tomaram gosto por caçar e matar tubarões-brancos

  • Os cetáceos comem o fígado e o coração dos animais, ricos em gordura e nutrientes

  • Ao menos oito carcaças de grandes tubarões-brancos chegaram ao litoral da África do Sul

  • Como consequência, os tubarões fugiram com medo da região

Não restou muita coisa desse temível predador

Não restou muita coisa desse temível predador

Reprodução/Hennie Otto/Dyer Island Conservation Trust

Desde 2017, ao menos oito grandes tubarões-brancos foram encontrados despedaçados no litoral da África do Sul. Por alguns anos, pesquisadores questionaram o que poderia causar tanto estrago em um dos predadores mais temidos do mundo. A resposta foi surpreendente: uma dupla de orcas.

Os resultados de uma pesquisa sobre o assunto, realizada ao longo de cinco anos e meio, foram publicados no African Journal of Marine Science e apontam para os cetáceos como responsáveis pelas mortes.

Segundo a pesquisa, as orcas — apelidadas de Bombordo e Estibordo pelos estudiosos — tomaram gosto pelos órgaos mais gordurosos e nutritivos do tubarão-branco, especialmente fígado e coração. Em alguns casos, os órgãos genitais também, todos cuidadosamente extraídos e devorados.

A suspeita é que vários outros tubarões-brancos tenham sido mortos pela dupla, mas os restos mortais nunca chegaram ao litoral. Também há a suspeita de que outras orcas da região tenham aprendido a realizar ataques desse tipo.

Usando dados de movimento de animais marcados, os cientistas descobriram que os tubarões-brancos estão aterrorizados e evitam ativamente certas regiões da costa da África do Sul, dominadas por eles durante séculos. Os cientistas falam de "emigração em massa de longo prazo", uma indicação de que a situação está longe do fim.

Abaixo, é possível ver como um ataque do tipo funciona:

"Quanto mais as orcas frequentam esses locais, mais tempo os tubarões-brancos ficam longe", disse Alison Towner, bióloga marinha e a principal autora da pesquisa, em comunicado à imprensa.

A predação de orcas está mudando até o ecossistema oceânico inteiro no local. Com a fuga dos tubarões-brancos, o tubarões-cobre se tornaram o principal peixe predador da região — e provavelmente estão aliviados, pois também são devorados pelos brancos.

No entanto, a pesquisa revelou que Bombordo e Estibordo podem ter percebido isso e já começaram a caçar também os tubarões-cobre. Por sua vez, há mais focas na região, que comem mais pinguins-africanos, uma espécie em risco de extinção antes mesmo de essas possíveis mudanças terem sido detectadas.

Esta provavelmente é a última visão das vítimas

Esta provavelmente é a última visão das vítimas

Reprodução/Vídeo/Daily Mail

É importante notar que orcas são gigantes: chegam a 9 m de comprimento e pesam até 7 toneladas. Já os tubarões-brancos passam de 6 m, chegam a 2 toneladas (apenas as fêmeas, os machos são bem menores) e contam com centenas de dentes capazes de rasgar a carne e matar com uma única mordida.

Como as mandíbulas das orcas não são eficientes para matar ou incapacitar a presa com uma única mordida, elas caçam em duplas ou em grupos, com técnicas avançadas, para cansar e encurralar os alvos. Já grande parte dos tubarões são solitários e evitam até mesmo golfinhos, bem menores que as orcas.

O resultado de uma briga assim não é difícil de prever.

Em 2020, o HORA 7 comentou a matança de tubarões-brancos por orcas na região, quando as primeiras suspeitas começaram. Relembre!

Últimas