Hora 7 Noite Oficial dos OVNIs: os mistérios do maior caso ufológico brasileiro

Noite Oficial dos OVNIs: os mistérios do maior caso ufológico brasileiro

Em uma noite de maio de 1986, 21 OVNIs invadiram o espaço aéreo do Brasil e mudaram para sempre a relação do país com eventos extraterrestres

  • Hora 7 | Caíque Guimarães, do R7*

Avistamentos e coletiva: a "Noite Oficial dos OVNIs" mudou a ufologia no Brasil

Avistamentos e coletiva: a "Noite Oficial dos OVNIs" mudou a ufologia no Brasil

Montagem/R7

19 de maio de 1986, 19:30h. Objetos voadores desconhecidos eram observados nas proximidades do Aeroporto Internacional Professor Urbano Ernesto Stumpf, em São José dos Campos, interior de São Paulo. Era apenas o início da sequência de eventos que ficou conhecida como "Noite Oficial dos OVNIs", uma das ocorrências ufológicas mais espetáculares já registradas mundialmente e a mais importante da história do Brasil.

Avistamentos

Às 20h, radares de São Paulo e do Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA), em Brasília, confirmavam a presença de objetos não identificados no espaço aéreo da cidade. Ainda não haviam motivos para preocupação, mas uma observação mais próxima já se fazia necessária. As 21h, o comandante Alcir Pereira da Silva, que co-pilotava um avião Xingu pela rota Brasília - São José dos Campos, recebeu uma comunicação do CINDACTA para observar as figuras detectadas pelos radares.

O voo contava também com o coronel Ozires Silva, fundador da Embraer e na época presidente da Petrobrás. O coronel e a tripulação conseguiram observar objetos luminosos brilhantes e de cor alaranjada, descritos posteriormente por Alcir como  "estrelas bem luminosas". A aeronave tentou se aproximar para realizar uma identificação mais precisa, mas graças a velocidade incrível do objeto, falhou. Em seguida, a "estrela luminosa" simplesmente desapareceu do campo de visão dos presentes.

Com os relatos preocupantes, a Força Aérea Brasileira decidiu intervir. Às 22:23h, um caça F-5 pilotado pelo tenente Kleber Caldas Marinho, decola em direção a São José dos Campos. Às 22:45h, radares de Anapolis, em Goiás, também detectam objetos voadores não identificados. Dois aviões Mirage são liberados pela FAB para investigar a área. Às 23:15h, o tenente Kleber faz contato visual com os objetos de luz e inicia uma perseguição. Às 23:17h, o F-5 do capitão Marcio Brisola Jordão levanta voo, seguido por mais um Mirage. O despareciemnto dos OVNIs é reportado já na madrugada do dia 20, após as aeronaves terem sido chamadas de volta à base.

Durante todo esse periodo, diversos registros de OVNIs foram feitos pela população. Pontos brilhantes, com aparência semelhante da descrita pelos militares, foram filmados e fotografados em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná e Goiás. A Força Aérea Brasileira sabia que seria díficl esconder o caso e decidiu realizar uma coletiva de imprensa.

Coletiva

Pilotos e controladores de voo participaram da histórica coletiva

Pilotos e controladores de voo participaram da histórica coletiva

Montagem/R7

Organizada pelo então ministro da aéronautica, o brigadeiro Otávio Júlio Moreira Filho, a coletiva de imprensa realizada na tarde de 20 de maio de 1986 é o que torna a "Noite Oficial dos OVNIs" uma ocorrência tão importante. Nunca antes um evento ufológico havia sido tão abertamente discutido por uma organização governamental.

Ao lado dos pilotos e controladores de voo envolvidos no caso, o minsitro afirmou que 21 objetos não identificados haviam invadido o espaço aéreo brasileiro, fato confirmado por mais de cinquenta radares espalhados pelo país. Moreira Filho também descartou a possibilidade de defeito nos equipamentos e declarou que a possíbilidade de um encontro com alienigenas não havia sido descartada pela FAB.

Durante a coletiva, Moreira Filho também um prometeu um relatório em cerca de um mês e transparência durante as investigaçãoes sobre a ocorrência. A promessa, infelizmente, não foi cumprida.

Investigações

O infame relatório só se tornou público em 2013

O infame relatório só se tornou público em 2013

Montagem/R7

Durante a semana, a cobertura midiática sobre o caso foi intensa. No entanto, especialistas e acadêmicos entrevistados não levaram a hipótese de OVNIs em consideração, matando a discussão. A população foi, aos poucos, se desinteressando pelos avistamentos.

Com isso, a transparência prometida pela FAB não se concretizou. O relatório, finalizado no dia 02 de junho de 1986, só veio a público em 2013, graças a lei de acesso à informação. Mesmo assim, seu conteudo não passava de um relato sobre os acontecementos, sem nenhuma conclusão baseada nos estudo dos materiais. A investigação nunca teve uma conclusão definitiva.

Procurada pela equipe do Hora 7, a FAB respodeu por meio da assessoria de imprensa que o Comando da Aéronáutica não dispõe de estrutura e de profissionais especializados para realizar investigações científicas ou emitir parecer a respeito desse tipo de fenômeno aéreo.

Portanto, a comunidade ufóloga talvez nunca receba uma respota satisfatória sobre os fatos ocorridos durante a noite de 19 de maio de 1986. Mas é inegavel que a "Noite Oficial dos OVNIs" mudou para sempre a relação dos brasileiros com a ufologia e desperta, até os dias de hoje, a imaginação de todos aqueles que querem acreditar.

*Estagiário do R7, com supervisão de Filipe Siqueira

Últimas