Hora 7 Peças de Lego surgem em praias 25 anos após serem jogadas ao mar

Peças de Lego surgem em praias 25 anos após serem jogadas ao mar

O cargueiro Tokyo Express estava a caminho de NY quando uma tempestade na costa sul da Inglaterra o obrigou a adotar a medida

  • Hora 7 | Do R7

Resumindo a Notícia

  • Em 1997, milhões de peças de Lego a bordo do cargueiro Tokyo Express foram jogadas ao mar.
  • A medida foi tomada após a embarcação enfrentar uma tempestade ao sul da Inglaterra.
  • Ao todo, 63 contêineres com 5 milhões de brinquedos de plástico acabaram na água.
  • Mesmo 25 anos após o incidente, os bloquinhos coloridos continuam a chegar a praias locais.
Peças de Lego que eram transportadas pelo cargueiro Tokyo Express antes do naufrágio

Peças de Lego que eram transportadas pelo cargueiro Tokyo Express antes do naufrágio

Reprodução/Cornish Plastic Pollution Coalition (via Cornwall Live)

Milhões de peças de Lego continuam a surgir em praias ao sul da Inglaterra 25 anos após terem sido lançadas ao mar pela tripulação do cargueiro Tokyo Express. O episódio ocorreu em 13 de fevereiro de 1997, quando a embarcação acabou surpreendida por uma tempestade e recorreu à medida drástica em busca de estabilidade.

Ao todo, foram jogados 63 contêineres na água, a cerca de 32 km do cabo de Land's End. Com 5 milhões de blocos de plástico à deriva, "o grande derramamento de Lego", como o incidente ficou conhecido, é considerado até hoje o pior desastre ambiental relacionado a brinquedos da história.

Em estudo publicado pelo jornal acadêmico Environmental Pollution, cientistas que estudaram as peças descobriram que pode levar até 1.300 anos para que elas se decomponham por completo.

Vale o clique: Cadê o gato 2: os felinos escondidos agora são outros! Consegue encontrá-los?

Enquanto isso, moradores e visitantes de praias do sul da Inglaterra passam horas na região à procura dos brinquedos naufrágos. Tracey Williams, por exemplo, criou o grupo de Facebook Lego Lost and Sea (Lego Perdido e Mar, em tradução literal), cujos membros compartilham os achados desde 2010.

"Eu me mudei para a Cornualha e, na minha primeira viagem à praia, notei Legos do derramamento", declarou Williams, em entrevista ao site de notícias LiveScience. "Fiquei surpreso com o fato de que eles ainda chegavam depois de tanto tempo."

O morador afirma que, no últimos tempos, os blocos de plástico parecem chegar diretamente dos contêineres, e não de peças que ficaram à deriva no mar.

Já uma identificação eletrônica facial gerou um criminoso com cabeça de Lego. Confira abaixo!

Últimas