Internacional 59% dos nova-iorquinos querem renúncia de governador

59% dos nova-iorquinos querem renúncia de governador

Maioria dos moradores do Estado pedem a saída de Andrew Cuomo após acusações de assédio sexual contra 11 mulheres

Reuters
Pesquisa mostra que Cuomo perdeu apoio até mesmo entre eleitores democratas

Pesquisa mostra que Cuomo perdeu apoio até mesmo entre eleitores democratas

Mary Altaffer / Pool via Reuters - Arquivo

Cerca de 59% dos nova-iorquinos acham que o governador de Nova York, Andrew Cuomo, deve renunciar após uma investigação independente apontar que ele apalpou, beijou ou fez comentários sugestivos a 11 mulheres, violando a lei, revelou uma pesquisa do Instituto Marista nesta quarta-feira (4).

Leia também: Biden diz que governador de NY deveria renunciar

Depois que a procuradora-geral Letitia James revelou as conclusões da investigação na terça-feira, Cuomo disse em vídeo que não tem planos de renunciar e negou ter agido de forma inadequada.

A pesquisa foi realizada com 614 adultos moradores do estado de Nova York por telefone na terça-feira. Além dos 59% que defenderam a renúncia do governador, 32%¨disseram que ele deveria cumprir o mandato até o fim do ano que vem e 9% não souberam opinar.

Os números mostram que Cuomo perdeu o apoio entre os próprios eleitores, já que 52% dos que se disseram democratas disseram que ele devria renunciar, 41% disseram que não e 8% não opinaram. Entre os republicanos, 77% defenderam a saída do governador, 16% defenderam sua permanência e 7% não souberam responder.

Cuomo está em seu terceiro mandato como governador de Nova York. Como o Estado não tem um limite de reeleições, ele poderia se candidatar novamente para a eleição que será realizada em novembro de 2022. Antes do escândalo, o democrata havia afirmado que pensava em concorrer novamente. Ele ocupa o cargo desde 2011.

Relatório comprometedor

Na terça-feira, após a publicação de um relatório da promotoria do Estado contendo acusações de 11 mulheres de assédio sexual e comportamento inapropriado da parte de Cuomo no ambiente de trabalho, a situação do democrata se complicou.

A procuradora-geral do Estado, Letitia James, disse ainda que investigação mostrou como Cuomo "assediou sexualmente funcionárias e ex-funcionárias do estado de Nova York, ao avançar com toques não desejados e não consentidos e ao fazer vários comentários de natureza sexual sugestiva que geraram um ambiente de trabalho hostil para as mulheres".

Aliados de longa data e companheiros de Partido Democrata, como o presidente Joe Biden e a presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, se manifestaram para pedir que o governador renuncie ao cargo.

Últimas