98% dos americanos que preferem o socialismo rejeitam visão bíblica

A pesquisa, que entrevistou 2000 adultos norte-americanos, apontou que os que possuem crenças bíblicas apoiam políticas conservadoras

Pesquisa entrevistou 2000 mil adultos norte-americanos em janeiro

Pesquisa entrevistou 2000 mil adultos norte-americanos em janeiro

Brian Snyder / Reuters ´2.6.2020

Um total de 98% dos americanos que têm crenças socialistas rejeitam uma "visão bíblica", enquanto uma grande maioria daqueles que subscrevem as crenças bíblicas apoia políticas conservadoras, de acordo com dados divulgados por um grupo de pesquisa liderado pelo famoso pesquisador evangélico George Barna.

O Centro de Pesquisa Cultural da Arizona Christian University divulgou novas descobertas de seu American Worldview Inventory 2020 em 19 de agosto. A notícia foi publicada no The Christian Post.

Os dados são de uma pesquisa anual feita com 2.000 adultos norte-americanos, realizada em janeiro, com uma margem de erro aproximada de mais ou menos 2 pontos percentuais.

Entre as descobertas, o relatório observou que 98% dos entrevistados que disseram "preferir o socialismo ao capitalismo" não acreditam na visão bíblica.

Em comparação, 83% daqueles que defendem uma visão bíblica responderam que preferiam "capitalismo ao socialismo".

Tamanho do governo

Já os entrevistados que disseram ter uma visão bíblica, são mais propensos a ser "consistentemente conservadores", com 91% apoiando políticas socialmente conservadoras e 89% se opondo ao aborto com base em "ensino bíblico claro".

Além disso, 83% daqueles que possuem uma cosmovisão bíblica dizem que apoiam uma "visão limitada do tamanho e escopo do governo".

“Por outro lado, apenas 5% daqueles com uma visão bíblica tendem a adotar visões liberais sobre questões fiscais, sociais e de governança,” explica uma análise dos dados do CRC .

Os dados sugerem que aqueles sem uma visão bíblica são mais propensos a apoiar políticas liberais fiscais (26%) e sociais (40%).

Cerca de 38% dos entrevistados que não possuem uma visão bíblica não acreditam que a Bíblia seja “inequívoca em seus pontos de vista sobre o aborto”. Com 26%, eles também são mais propensos a favorecer "uma visão mais liberal e expansiva da governança".

Eleições nos EUA

“A eleição de 2020 não é sobre personalidades, partidos ou mesmo política. É uma eleição para determinar a visão de mundo dominante na América ”, disse Barna, o autor da pesquisa que fundou a influente organização evangélica de pesquisas The Barna Group, em um comunicado.

“Em 3 de novembro, saberemos qual visão de mundo conquistou os corações dos americanos e, então, determinaremos a base para os valores, estilos de vida e políticas públicas da nação para o futuro próximo”.

Várias pesquisas nos últimos anos mostraram um nível crescente de apoio às idéias socialistas entre os adultos americanos, especialmente da geração Millennial e Z.

Por exemplo, uma pesquisa Gallup de maio de 2019 descobriu que 43% dos americanos acreditavam que o socialismo seria uma "coisa boa" para os Estados Unidos, bem acima dos 25% relatados em 1942.

Matt Slick, do Christian Apologetics & Research Ministry, acredita que o socialismo está inerentemente em desacordo com o cristianismo.

Biblicamente desinformados

Slick disse ao The Christian Post em uma entrevista em junho que ele acreditava que os cristãos que se inclinam para o socialismo são "biblicamente desinformados".

“Os cristãos que estudaram este assunto à luz das Escrituras, o que é raro, logo descobrem que os princípios socialistas não são bíblicos. Portanto, o cristão não deve afirmar os princípios básicos do socialismo”, disse Slick.

No entanto, o pastor e teólogo Timothy Keller contou em seu livro O Profeta Pródigo uma anedota de um amigo que conhecia um conservador cristão republicano do Mississippi.

Keller explicou que o republicano do Mississippi visitou uma comunidade presbiteriana na Escócia por um mês e os considerou conservadores em questões sociais e teologia.

“No entanto, um dia ele entrou em uma discussão com vários de seus admirados cristãos escoceses e descobriu, para seu choque, que todos eram (em sua opinião) socialistas”, escreveu Keller. “Ou seja, sua compreensão da estrutura tributária e do governo a política econômica era muito de esquerda".

"Ele percebeu que os cristãos atenciosos, todos tentando obedecer ao chamado de Deus, podem razoavelmente aparecer em vários lugares diferentes no espectro político, com lealdade a diferentes partidos políticos", ele continuou.