Ação militar no Afeganistão mata ao menos 40 civis em casamento 

Operação apoiada por forças dos EUA seria contra um esconderijo de militantes islâmicos; convidados da festa morreram em explosões e tiros

Parentes das vítimas, convidados de um casamento, aguardam em hospital

Parentes das vítimas, convidados de um casamento, aguardam em hospital

Reprodução / Reuters TV

Ao menos 40 civis presentes a um casamento foram mortos por explosões e tiros durante uma operação de forças do governo afegão apoiadas pelos Estados Unidos contra um esconderijo de militantes islâmicos nas imediações, disseram autoridades da província de Helmand nesta segunda-feira (23).

SAIBA MAIS: Por que a guerra no Afeganistão se tornou a mais longa já travada pelos EUA

A ação, realizada dias após um ataque de drone dos EUA que visava militantes escondidos entre agricultores matar 32 coletores de castanhas, mostrou como os civis têm sido os mais vitimados por uma guerra que se agravou desde que as conversas de paz entre os EUA e o Taliban fracassaram neste mês.

Autoridades do Afeganistão disseram que uma casa usada pelo Taliban para treinar homens-bomba estava localizada junto à casa da noiva que foi alvo de disparos durante o ataque de comandos na área de Musa Qala, em Helmand, no sul afegão, na noite de domingo.

Carregar corpos em meio a decoração de casamento

Nesta segunda-feira, Mohammad Salim, morador de 30 anos de Musa Qala, carregava corpos de primos e parentes de uma casa decorada para o casamento de sua cunhada para um cemitério.

Salim e dois funcionários graduados do governo provincial disseram que 40 pessoas, incluindo 12 crianças, morreram no local das bodas quando forças afegãs atacaram a casa usada por militantes do Taliban e da Al Qaeda para treinar homens e mulheres-bomba.

"Estávamos indo à casa da noiva para a cerimônia de hena, alguns de nós estávamos do lado de fora da casa e alguns dentro, (quando) de repente a batalha começou... dissemos às forças de segurança que não éramos membros do Taliban", disse Salim à Reuters.