Internacional Adolescente palestino é morto por forças israelenses em protesto

Adolescente palestino é morto por forças israelenses em protesto

Movimento palestino diz que rapaz de 15 foi baleado por soldados de Israel durante manifestação na Cisjordânia

Reuters
Soldados israelenses reprimiram protesto na Cisjordânia

Soldados israelenses reprimiram protesto na Cisjordânia

Raneen Sawafta / Reuters - 4.12.2020

Soldados israelenses mataram a tiros um palestino de 15 anos na sexta-feira (4) durante confrontos em que pedras foram atiradas na Cisjordânia ocupada, disseram autoridades palestinas, embora os militares israelenses tenham dito que suas forças não usaram munição letal.

Leia também: Irã acusa opositores exilados e Israel de assassinarem cientista

O adolescente foi atingido por uma bala no abdômen e levado em estado grave para tratamento em um hospital na cidade palestina de Ramallah, onde sucumbiu aos ferimentos, informou o Ministério da Saúde palestino.

Israel nega

Uma porta-voz militar israelense disse que os soldados usaram o que ela descreveu como "meios de dispersão de distúrbios", incluindo o disparo de balas de borracha, para enfrentar dezenas de palestinos que atiravam pedras contra os soldados e pneus queimados contra veículos israelenses.

"Os relatos sobre o uso de munição letal durante o confronto não são verdadeiros e as alegações sobre vários manifestantes feridos e um morto são conhecidos", disse a porta-voz.

O adolescente palestino participava de um protesto semanal contra os assentamentos israelenses na vila de al-Mughayyir, perto de Ramallah, disse Marzouq Abu Naeem, membro do conselho da vila, acrescentando que os manifestantes estavam jogando pedras nos soldados.

"Este crime horrível é um crime de guerra e um crime contra a humanidade", afirmou o Ministério das Relações Exteriores palestino em um comunicado.

O enviado da ONU para o Oriente Médio, Nickolay Mladenov, disse que ficou chocado com a morte. "Israel deve investigar rápida e independentemente este incidente chocante e inaceitável", tuitou.

Os palestinos querem estabelecer um Estado na Cisjordânia ocupada, Jerusalém oriental e Faixa de Gaza, territórios que Israel capturou na guerra de 1967 no Oriente Médio.

Últimas