Internacional Adolf Hitler: a surpreendente história da amizade entre o líder nazista e a menina de origem judia Rosa Bernile Niernau

Adolf Hitler: a surpreendente história da amizade entre o líder nazista e a menina de origem judia Rosa Bernile Niernau

Quando o líder nazista conheceu uma garotinha que fazia aniversário no mesmo dia que ele, passou a receber cartas constantes dela, uma 'não ariana'. Mas o contato acabou sendo interrompido. Foto de ambos acaba de ser leiloada

amizade de hitler com menina judia

Foto de Adolf Hitler com Rosa Bernile Nienau foi leiloada por mais de US$ 11 mil

Foto de Adolf Hitler com Rosa Bernile Nienau foi leiloada por mais de US$ 11 mil

Alexander Historical Auctions

À primeira vista, a imagem de um homem abraçando uma menina sorridente remete a uma cena de felicidade. Mas, olhando mais de perto, a foto tirada em 1933 revela uma história muito mais complexa. O homem é Adolf Hitler, cujo governo nazista promoveu o assassinato de 6 milhões de judeus. E a menina é Rosa Bernile Nienau, menina que à época tinha provavelmente seis anos — e cuja avó era judia.

Na terça-feira, a curiosa foto dos dois, feita por Henrich Hoffmann, fotógrafo pessoal de Hitler, foi leiloada nos EUA por US$ 11,5 mil (cerca de R$ 43 mil), de acordo com a casa de leilões Alexander Historical Auctions, do Estado de Maryland.

Detalhe ampliado da foto: "À querida (e atenciosa?) Rosa Nienau. Adolf Hitler. Munique, 16 de junho de 1933", diz o texto

Detalhe ampliado da foto: "À querida (e atenciosa?) Rosa Nienau. Adolf Hitler. Munique, 16 de junho de 1933", diz o texto

Alexander Historical Auctions

"A foto, autografada, é um item que nunca havia sido visto pelo público", disse o leiloeiro Bill Panagopulos ao jornal britânico Daily Mail.

"Hitler era frequentemente fotografado com crianças, para fins de propaganda (de forma a retratar Hitler como um líder amoroso com crianças). O surpreendente da foto é que parece que ele tinha uma afinidade genuína com a menina."

"O amor de Hitler"

Foi o fato de ambos fazerem aniversário no mesmo dia — 20 de abril — que parece ter unido Hitler e Bernile, como a menina era conhecida.

Segundo o site de leilões, ela e sua mãe, Karoline, estavam junto a uma multidão que se reunira na frente da residência de Hitler nos Alpes no aniversário dele em 1933.

Acredita-se que, quando Hitler soube que a menina também fazia anos naquele dia, convidou-a e sua mãe à residência, onde as fotos foram tiradas.

Segundo relatos históricos, a menina viria a se encontrar e a se corresponder por cartas diversas vezes com o "tio Hitler", como ela o chamava, até 1938.

Hitler manteve contato com a menina, a despeito de sua origem judaica

Hitler manteve contato com a menina, a despeito de sua origem judaica

Getty Images

Pouco tempo depois, porém, veio à tona a informação de que a mãe de Karoline era judia, fazendo com que Bernile também o fosse, sob os olhos do Estado nazista.

Hitler manteve sua amizade com a menina, a quem enviou uma cópia autografada da fotografia. "À querida (e atenciosa?) Rosa Nienau. Adolf Hitler. Munique, 16 de junho de 1933", diz o texto. Ao que parece, mais tarde a menina agregou detalhes à foto, desenhando flores na imagem preto e branca.

Bernile escreveu a Hitler e a seu assessor, Wilhelm Bruckner, em ao menos 17 ocasiões, entre 1935 e 1938

Até que Martin Bormann, secretário privado do líder nazista, pediu que ela interrompesse a correspondência. Hitler não gostou da interferência, segundo diria mais tarde ao fotógrafo Hoffmann. "Algumas pessoas têm um verdadeiro talento para arruinar as minhas alegrias", Hitler teria dito a Hoffmann, segundo o livro Hitler Era Meu Amigo, escrito pelo fotógrafo.

Capa do livro 'Hitler era meu amigo', cujo autor é o fotógrafo que fez a imagem do líder com a menina

Capa do livro 'Hitler era meu amigo', cujo autor é o fotógrafo que fez a imagem do líder com a menina

Alexander Historical Auctions

Triste final

Hoffmann incluiu, em seu livro (publicado em 1955), uma segunda foto de Hitler e Bernile, com a legenda: "o amor de Hitler: ele ficava encantado em vê-la, até que algum intrometido descobriu que ela não era de ascendência ariana".

Um ano depois de Martin Bormann ter rompido o contato entre o líder nazista e a menina, começou a Segunda Guerra Mundial. Quando o conflito terminou, seis anos depois, o Holocausto havia ocorrido, assassinando milhões de judeus.

Rosa Bernile Niernau não sobreviveu à guerra. Morreu de pólio aos 17 anos, em 1943, em um hospital de Munique, uma década depois de seu primeiro encontro com Hitler.