Internacional Afeganistão finaliza processo de libertação de integrantes do Talibã

Afeganistão finaliza processo de libertação de integrantes do Talibã

Porta-voz confirmou que "esforços diplomáticos" para iniciar o processo de paz com os insurgentes "estão em andamento"

  • Internacional | Da EFE

País teve problemas com insurgentes

País teve problemas com insurgentes

Mutalib Sultani - EFE/EPA 25.08.2020

O governo do Afeganistão anunciou nesta quinta-feira (3) a libertação dos últimos 400 talibãs presos - exceto um grupo de insurgentes ainda detidos por conta de pressão diplomática -, após a libertação de militares, abrindo as portas para o início as negociações de paz intra-afegãs.

"A República Islâmica do Afeganistão recebeu os comandos detidos pelo Talibã, após o governo ter libertado todos, exceto alguns dos 400 condenados sobre os quais nossos aliados têm dúvidas", disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, Javid Faisal, através do Twitter.

O porta-voz confirmou que "esforços diplomáticos" para iniciar o processo de paz com os insurgentes "estão em andamento" e que o governo "espera iniciar em breve as negociações diretas".

O acordo

De acordo com o pacto assinado em Doha em fevereiro entre o Talibã e os Estados Unidos, Cabul deveria libertar 5 mil combatentes de suas prisões, e os insurgentes libertariam 1 mil soldados afegãos e, então, iniciariam as negociações diretas visando a paz.

O governo afegão relutou em libertar o último grupo de 400 talibãs, que considerou especialmente perigosos.

Mas agora todos foram libertados, exceto um pequeno número não especificado pelas autoridades afegãs sobre quem a Austrália e França expressaram dúvidas.

Paris pediu ao governo afegão, em meados de agosto, a não libertar certos presos insurgentes por terem cometido crimes contra soldados ou trabalhadores humanitários franceses.

Negociações

O anúncio de hoje é um passo importante para o início das negociações intra-afegãs inicialmente programadas para março, mas que foram adiadas devido à troca de prisioneiros.

O porta-voz do Conselho Superior de Reconciliação Nacional do governo afegão, Faraidoon Khwazoon, disse em um comunicado que o país "está prestes a iniciar negociações de paz intra-afegãs".

"É hora dos dois lados encerrarem a guerra e prometerem um cessar-fogo ao povo afegão. Exigimos que as partes aumentem a esperança do povo no processo de paz anunciando um cessar-fogo", disse Khwazoon.

Ainda não foi marcada uma data oficial para o início das negociações de paz, que ocorrerão no Catar, embora o principal negociador do governo afegão para esse processo, Abdullah Abdullah, tenha dito recentemente que elas teriam início nesta semana.

Últimas