Novo Coronavírus

Internacional África do Sul impõe toque de recolher para conter coronavírus

África do Sul impõe toque de recolher para conter coronavírus

Outras medidas também foram adotadas pelo governo do país africano, como a proibição da venda e transporte de bebidas alcoólicas à noite

  • Internacional | Da EFE

O governo impôs um toque de recolher geral, que valerá todos os dias a partir de 21h (local)

O governo impôs um toque de recolher geral, que valerá todos os dias a partir de 21h (local)

Nic Bothma - EFE/EPA 13.07.2020

A África do Sul retoma nesta segunda-feira (13) algumas restrições voltadas para combater a propagação do novo coronavírus, entre elas, a circulação à noite e a proibição de venda e transporte de bebidas alcóolicas.

As medidas foram anunciadas já no fim da noite deste domingo (12), pelo presidente do país, Cyril Ramaphosa, em pronunciamento veiculado em cadeia de televisão.

O governo impôs um toque de recolher geral, que valerá todos os dias a partir de 21h (local) e vai até às 4h do dia seguinte.

A proibição de venda e transporte de álcool se dá para evitar os atendimentos de emergência em hospitais e outras unidades de saúde, devido ao consumo elevado de bebidas.

O pronunciamento

"A tormenta está sobre nós. Mais de um quarto de milhão de sul-africanos se infectaram pelo novo coronavírus. Não sabemos quantas aconteceram sem detecção", admitiu Ramaphosa.

De acordo com o presidente, o total de casos chegou a 276.242, com uma média de mais de 12 mil por dia.

O chefe de governo alertou que, embora a letalidade da covid-19 na África do Sul seja baixa, em torno de 1,5%, preocupa o fato de uma em cada quatro acontecida desde o início da pandemia, ter sido registrada na última semana.

Até o momento, os números oficiais apontam que 4.079 pessoas faleceram em decorrência da infecção pelo novo coronavírus.

Outras medidas de prevenção

Apesar do aumento de casos e óbitos e do alarme apresentado pelo próprio Ramaphosa, está descartada, por enquanto, a possibilidade de retomada de um confinamento mais rígido, como o decretado entre o fim de março e o início de junho.

"A recomendação que recebemos é que dar esse passo agora não resultaria, necessariamente, em uma redução significativa da taxa de transmissão e representaria um custo econômico extraordinário, colocando em risco os meios de sobrevivência e causando um potencial dano social de longa duração", explicou o presidente.

Nos últimos dias, o governo já havia decretado a obrigatoriedade do uso de máscaras, a proibição de visitas a casa de amigos ou parentes.

A economia, quase totalmente, seguirá funcionando, com observação de medidas de distanciamento social.

A África do Sul é o país do continente africano mais afetado pela pandemia da covid-19 e o décimo do mundo, segundo dados da OMS (Organização Mundial de Saúde). O principal alerta, atualmente, é sobre a província de Gauteng, onde estão Joanesburgo e Pretória.

Últimas