Novo Coronavírus

Internacional Agência europeia fará inspeção em fábrica da Sputnik V na Rússia

Agência europeia fará inspeção em fábrica da Sputnik V na Rússia

Técnicos da EMA vão realizar uma avaliação de 'boas práticas' e revisar dados coletados pelos russos durante os ensaios

  • Internacional | Da EFE

Agência Europeia deve emitir um parecer sobre a Sputnik V em breve

Agência Europeia deve emitir um parecer sobre a Sputnik V em breve

Georgi Licovski / EFE - EPA - 7.4.2021

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) confirmou nesta quarta-feira (7) que realizará "uma inspeção de boas práticas clínicas" na Rússia sobre a forma como os ensaios com a vacina Sputnik V contra a covid-19 foram realizados em voluntários.

Leia também: Argentina tem novas restrições após recorde de casos de covid-19

O imunizante russo está em processo de revisão contínua por parte do órgão regulador.

A diretora executiva da EMA, Emer Cooke, justificou que este é "um processo normal" que a agência realiza durante seu processo de avaliação de medicamentos e tem como objetivo confirmar que os ensaios clínicos seguiram os procedimentos nos âmbitos científico e ético dentro dos padrões internacionais.

A Rússia informou que funcionários militares e estatais participaram de ensaios da vacina, desenvolvidos em um laboratório estatal e financiados pelo Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF), um fundo soberano do Kremlin, que alegou não haver pressão sobre aqueles que participavam dos testes.

Revisão contínua

A EMA iniciou um processo de "revisão contínua" dos dados sobre a segurança, eficácia e qualidade da vacina russa em 4 de março. O processo pode levar ao licenciamento do imunizante para uso na União Europeia (UE), juntamente com as vacinas já licenciadas - as de Pfizer/BioNTech, Moderna, AstraZeneca e Janssen.

"Estamos atualmente analisando as evidências disponíveis para ver se (Sputnik V) atende aos padrões que precisaríamos para avaliação na UE", afirmou Cooke.

Há duas semanas, a EMA anunciou que organizaria inspeções na fábrica que produz a Sputnik V, embora ainda "tenha perguntas sem resposta" sobre esta vacina.

O chefe do RDIF, Kirill Dmitriev, disse hoje ao jornal "Financial Times" que a Sputnik V reuniu "todas as práticas clínicas" e lembrou que os órgãos reguladores dos 59 países que já aprovaram a vacina revisaram os dados "rigorosamente" e ficaram satisfeitos por ela ter reunido "boas práticas clínicas".

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) deve informar ainda nesta quarta-feira a governadores se vai ou não liberar a importação da Sputnik V para reforçar o Plano Nacional de Imunização (PNI).

Últimas