Novo Coronavírus

Internacional Agência europeia vai anunciar conclusões sobre vacina da Johnson

Agência europeia vai anunciar conclusões sobre vacina da Johnson

Imunizante foi suspenso nos EUA após surgimentos de trombos raros; Brasil comprou 38 milhões de doses da vacina

  • Internacional | Da EFE, com R7

Agência europeia vai anunciar segurança de vacina da Janssen nesta terça-feira (20)

Agência europeia vai anunciar segurança de vacina da Janssen nesta terça-feira (20)

Ettienne Laurant/EPA/EFE

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) planeja anunciar nesta terça-feira (20) as conclusões da investigação de seis casos de tromboembolismo muito raro detectados em pacientes vacinados com o imunizante da Johnson & Johsnon nos Estados Unidos e dará seu veredicto científico sobre se o uso da vacina continua seguro e positivo.

Em uma entrevista coletiva agendada para o meio-dia, em horário de Brasília, a diretora executiva, Emer Cooke, e parte de sua equipe explicarão da sede da EMA em Amsterdã as conclusões do comitê de segurança (PRAC), que tem investigado o risco de desenvolver uma coagulação sanguínea incomum após a vacinação por duas semanas.

O PRAC, o comitê responsável por avaliar as questões de segurança dos medicamentos para uso humano, analisa os casos de seis pessoas que receberam a vacina da Johnson e desenvolveram sintomas de trombos cerebrais venosos (CVST) entre 6 e 13 dias depois, em combinação com baixos níveis de sangue plaquetas (trombocitopenia).

Ele analisa apenas os casos de seis pacientes vacinados nos Estados Unidos, que administraram a vacina da subsidiária da Johnson & Johnson a 6,8 milhões de pessoas. Vários países europeus receberam na semana passada as doses que lhes correspondem na primeira entrega da vacina, mas as mantêm em armazenamento enquanto se aguarda o veredicto da EMA, da qual depende a taxa de vacinação na União Europeia (UE). O Brasil comprou 38 milhões de doses da vacina.

A decisão de adiar o uso do imunizante na UE veio depois que na última terça-feira os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) e a Food and Drug Administration (FDA), órgão responsável pela fiscalização de medicamentos nos EUA, recomendaram suspender seu uso até que investiguem esses casos de "raros e graves" tipo de coágulo sanguíneo e determinar se existe uma relação causal com a preparação.

Muitos países europeus depositaram suas esperanças na Johnson & Johnson, porque é a primeira vacina de dose única disponível na área da comunidade. As vacinas da Pfizer/BioNTech, Moderna e AstraZeneca exigem duas injeções com intervalo de várias semanas de separação, o que obriga a manter metade das doses armazenadas para completar a proteção de quem recebeu a primeira, enquanto o resto do país aguarda novas entregas.

Não é a primeira vez que a EMA se depara com o cenário de decidir sobre a segurança de uma vacina já autorizada devido à detecção de tromboembolismo. Duas semanas atrás, ele teve que comentar sobre o risco de desenvolver coagulação sanguínea com a AstraZeneca e concluiu que havia uma "possível ligação" com esses sintomas, mas afirmou que os benefícios da vacina continuam a superar seus riscos na ajuda contra a pandemia e salvar vidas.

Hoje a EMA vai colocar em perspectiva o percentual de tromboembolismo em relação à população total de vacinados com Johnson, vai estudar a possível identificação de um fator de risco - como idade, sexo ou história clínica - e vai decidir "se uma ação regulatória é necessária" em relação ao uso do imunizante na UE, incluindo a adição de coagulação sanguínea ao folheto informativo como um possível efeito colateral incomum.

No momento, os efeitos colaterais mais comuns da vacina tendem a ser “leves ou moderados, e melhorar um ou dois dias após a injeção”, enfatiza a EMA.

Últimas