Era Trump
Internacional Ajuda militar à Ucrânia foi suspensa 1h30 após telefonema de Trump 

Ajuda militar à Ucrânia foi suspensa 1h30 após telefonema de Trump 

Mensagens trocadas entre funcionários mostram que a ajuda militar foi paralisada menos de duas horas após a conversa entre Trump e Zelenskiy

impeachment trump

Trump sofreu impeachment na última quarta-feira

Trump sofreu impeachment na última quarta-feira

Al Drago / POOL - EPA - EFE - 21.12.2019

Cerca de uma hora e meia depois do telefonema do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ao presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, em julho, um funcionário da Casa Branca pediu a detenção da ajuda militar ao país do leste europeu, segundo mensagens divulgadas neste domingo (22).

O funcionário, identificado como Michael Duffey e que é diretor-adjunto de Previdência Social, solicitou, com base em uma orientação que havia recebido do governo Trump, a pessoas de dentro do Pentágono para parar o auxílio.

Leia também: Impeachment de Trump passou na Câmara: o que vai acontecer agora?

"Dada a natureza sensível do pedido, agradeço se mantiverem esta informação em segredo", disse Duffey em uma mensagem de 25 de julho para Elaine McCusker e outros, revelada pelo jornal Washington Post e a emissora de televisão CNN.

Sequência de eventos

Os documentos, obtidos pelo Centro de Integridade Pública seguindo uma ordem do juiz, mostram, segundo a CNN, que a ligação entre os governadores ocorreu entre as 9h03 e as 9h33 de 25 de julho e que uma mensagem do diretor-adjunto foi enviada às 11h04.

As mensagens vieram à tona depois que a oposição aprovou na última quarta-feira as acusações de abuso de poder e obstrução ao Congresso contra Trump, que se tornou o terceiro presidente a enfrentar um processo de impeachment na história dos Estados Unidos.

Processo de impeachment

O processo foi desencadeado por um vazamento de dentro da Casa Branca em setembro sobre um favor controverso que o chefe de governo americano pediu ao presidente ucraniano durante a conversa. Trump queria que fosse investigado um suposto caso de corrupção do ex-vice-presidente dos EUA e seu adversário político, Joe Biden, e do filho do democrata.

"Este e-mail de Michael Duffey, aproximadamente 90 minutos após a ligação do presidente Trump com o presidente da Ucrânia, é mais um motivo pelo qual precisamos que Duffey e outros testemunhem no julgamento do Senado", defendeu o senador democrata Chuck Schummer em sua conta no Twitter.

Em nome dos democratas, Schummer propôs que o processo de impeachment do Senado incluísse novas testemunhas, como o antigo Conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca John Bolton e o chefe interino de gabinete de Trump, Mick Mulvaney, bem como Duffey e o chefe de gabinete da Casa Branca, Robert Blair.

O senador republicano Ron Johnson argumentou em entrevista à ABC e citou pela mídia local que o presidente estava preocupado se os dólares dos contribuintes deveriam ou não ser gastos em um país onde houve casos comprovados de corrupção.

Enquanto isso, a porta-voz do Office of Management and Budget (OMB), Rachel Semmel, declarou à CNN que é irresponsável ligar a retenção de fundos ao telefonema, observando que a decisão foi anunciada em uma reunião no dia 18 de julho. "Tirar uma linha de um e-mail e não abordar o contexto é enganador e impreciso", argumentou.