Alemanha entra em segunda fase de quarentena, menos restrita

Merkel expressa receio com relaxamento de restrições para deter a covid-19; cada estado tem autonomia para decidir sobre retomada de atividades

Loja reaberta na Baviera: clientes mantêm distanciamento na hora das compras

Loja reaberta na Baviera: clientes mantêm distanciamento na hora das compras

Lukas Barth-Tuttas / EFE-EPA - 20.4.2020

A Alemanha inicia nesta segunda-feira (20) a segunda fase de uma quarentena nacional imposta para deter a propagação do novo coronavírus, permitindo a reabertura gradual de alguns tipos de comércio e, eventualmente, a retomada das aulas. A decisão final sobre que atividades poderão ser parcialmente retomadas é dos governos dos estados, mas a quarentena está mantida nacionalmente até 3 de maio.

O acordo entre o governo federal e os estados sobre a segunda fase da quarentena anunciado na quarta-feira passada permite que, nacionalmente, sejam reabertos comércios com até 800 metros de área, além de se retomar as aulas para alunos do último ano da escolaridade obrigatória. Essa medida, no entanto, não será adotada por vários estados por pelo menos mais duas semanas.

O país é um dos que apresentaram menores taxas de letalidade da doença, algo que só foi possível com a testagem em massa da população, o que permitiu a identificação de centros de contágio e o isolamento. Ainda assim, a quarentena total foi adotada e permitiu a desaceleração dos contágios e mortes nos últimos dias, fazendo a pandemia ficar "controlável", nas palavras do ministro da Saúde alemão.

Os dados oficiais indicam que 141.672 casos de covid-19 foram registrados na Alemanha e 4.404 pessoas morreram, segundo o Instituto Robert Koch.

Merkel preocupada com relaxamento

A primeira-ministra alemã, Angela Merkel, expressou receio em relação à reaceleração da pandemia de covid-19. De acordo com relatos da mídia alemã, em uma videoconferência da liderança de seu partido, a CDU (União Democrática Cristã), disse estar preocupada com a pressa de reabrir negócios e permitir atos públicos em alguns estados, o que, na sua opinião, aumenta fortemente o risco de recaída.

A principal preocupação de Merkel é que o relaxamento das regras de isolamento social transmitam ao público a sensação de que a crise foi superada, o que levaria a um relaxamento das atuais prevenções, como distância social, lavagem frequente das mãos e uso de máscaras.

Máscaras obrigatórias

Alguns estados tentam impedir este relaxamento ampliando exigências de cuidados para quem transita nas ruas. A Baviera, a Saxônia e Mecklenburgo-Pomerania impuseram o uso obrigatório de máscaras nos transportes públicos e em espaços comerciais.

Cada estado também tem autonomia para incluir diferentes tipos de negócios na lista da reabertura. O governo bávaro, por exemplo, só irá reabrir o comércio na semana que vem. Já a Renânia do Norte-Vestfália permitirá a reabertura de lojas de móveis e de artigos infantis.

Mesmo com a permissão, a rede de comércio de móveia Ikea decidiu que não vai reabrir nenhuma das suas unidades como forma de manter sua política de prevenção ao novo coronavírus.