Novo Coronavírus

Internacional Alemanha instaura novas restrições para evitar 2º isolamento

Alemanha instaura novas restrições para evitar 2º isolamento

Em discurso na Câmara baixa, Merkel defendeu investimentos, gastos e medidas para conter pandemia e pediu ajuda da população

  • Internacional | Da EFE

Merkel defendeu medidas contra o coronavírus

Merkel defendeu medidas contra o coronavírus

Hannibal Hanschke/Reuters - 30.9.2020

A chanceler alemã, Angela Merkel, pediu nesta quarta-feira (30) para que os cidadãos cumpram as restrições impostas pela crise do coronavírus e enfatizou que seu objetivo é "fazer todo o possível para evitar um segundo confinamento".

Na sua intervenção no debate geral e orçamental perante o plenário do Bundestag (câmara baixa alemã), a chanceler procurou apelar aos parlamentares e aos cidadãos em geral, recorrendo à responsabilidade e à emoção, e com um tom sereno mas sério e por vezes preocupado tentou atrair o apoio da maioria em face de uma crise "histórica" ​​e "extraordinária".

A época fria do ano é uma “época difícil”, pois significa melhores condições de propagação do coronavírus e por isso foi firme ao pedir que a população não relaxe e continue cumprindo as regras de distanciamento e segurança para não “arriscar tudo o que foi conquistado” após seis meses lutando contra a pandemia. As novas infecções têm sido de cerca de 2 mil novos casos por dia - em uma população de 83,2 milhões - por pouco mais de uma semana.

“Estou convencido de que as sociedades que sairão mais estáveis ​​a longo prazo desta crise são aquelas que apontam os perigos de forma aberta e transparente, que valorizam a verdade e que encontram um equilíbrio entre as exigências políticas e a aceitação e participação da sociedade civil”, defendeu.

A chanceler destacou o quão “incômodo” é não saber “quando vai acabar a pandemia” - período que “não conhece rotinas” -, reconheceu o próprio cansaço devido à excepcionalidade e pediu para atuar com “paciência e bom senso” para “salvar vidas "

“É um longo caminho. Não chegamos ao fim da pandemia. Com o outono e o inverno temos um momento difícil pela frente”, disse Merkel, que considerou que cumprir as medidas do coronavírus “protege não só os idosos e grupos de risco, mas também toda a nossa sociedade aberta e livre.”

Déficit histórico

Neste contexto de excepcionalidade, convenceu-se de ter posto em espera o "travão da dívida" e de ter previsto incorrer nos dois maiores défices orçamentais da história do país este ano e no próximo (217 e 96,2  bilhões de euros, respectivamente) é a coisa "correta".

“A austeridade orçamentária dos anos anteriores nos permitiu reagir e continuar tendo a menor relação entre dívida e produto interno bruto (PIB) dos países do G7”, argumentou.

Os dois pilares das contas de 2021, acrescentou, são a luta contra as consequências econômicas da pandemia para empresas e empregados, autônomos, consumidores e famílias, e as reformas para preparar a Alemanha para o futuro.

China, Rússia e Turquia

Sobre política externa, Merkel referiu-se a "desafios internacionais" que nenhum país pode resolver por si e defendeu a "cooperação" e o "multilateralismo", sistema que ela reconheceu estar "sob pressão" em um mundo "agressivo" devido ao crescimento “nacionalismo "e" protecionismo”.

Neste contexto, acrescentou “é a hora da Europa”, da necessidade dos vinte e sete países, que partilham “interesses e valores”, de agirem juntos e ter uma voz única na cena internacional.

No que diz respeito à China, reduziu as expectativas sobre um possível acordo bilateral de proteção de investimentos devido às dificuldades em avançar na área da "reciprocidade" e mostrou-se "profundamente preocupada" com a situação em Hong Kong e com o tratamento "horrível". aos direitos humanos das minorias.

Na direção da Rússia, ela voltou a exigir uma investigação "transparente" sobre o envenenamento com um agente nervoso do líder da oposição Alexei Navalny e alertou que se Moscou não colaborar, haverá uma "reação" em "nível comunitário".

Quanto à Turquia, criticou a situação dos direitos humanos e as tensões com a Grécia e Malta no Mediterrâneo Oriental, mas lembrou que Ancara também é uma aliada da NATO e que contribuiu significativamente para o enfrentamento da crise dos refugiados.

A este respeito, lamentou as "imagens horríveis" do campo de refugiados de Moria, que pegou fogo no início do mês, e defendeu a decisão do seu Executivo de acolher mais de 1,5 mil pessoas, embora reconhecesse que "não é uma solução sustentável".

"O fracasso em encontrar uma solução comum para esta questão prejudicaria seriamente a capacidade de ação da UE", disse ele.

Últimas