Internacional Aliados pedem explicações a EUA e Dinamarca por caso de espionagem

Aliados pedem explicações a EUA e Dinamarca por caso de espionagem

Reportagem de TV dinamarquesa implicou os dois países em um esquema para monitorar comunicações de líderes europeus

AFP
Macron e Merkel cobraram um posicionamento dos EUA e Dinamarca após denúncia

Macron e Merkel cobraram um posicionamento dos EUA e Dinamarca após denúncia

Michael Sohn / Pool via AFP - 31.5.2021

O presidente francês, Emmanuel Macron, e a chefe do governo alemão, Angela Merkel, pediram nesta segunda-feira (31) explicações aos Estados Unidos e Dinamarca sobre as acusações de espionagem a responsáveis europeus, entre eles a líder alemã.

Leia também: Capitão de navio é responsabilizado por bloqueio no Canal de Suez

"Não é aceitável entre aliados, muito menos entre aliados e sócios europeus", disse Macron no final de um conselho de ministros franco-alemão. A chanceler alemã apoiou as declarações do chefe de Estado francês.

"Só posso me juntar às palavras de Emmanuel Macron", respondeu Angela Merkel, que disse estar "tranquila" com a reação do governo dinamarquês. "É uma boa base, não só para esclarecer os fatos, mas também para estabelecer uma relação de confiança", acrescentou.

De acordo com uma reportagem do canal de televisão público dinamarquês "Danmarks Radio" (DR), em parceria com vários meios de comunicação europeus, e exibida no domingo, Washington utilizou instalações dinamarquesas ao menos até 2014 para poder escutar várias autoridades de quatro países (Alemanha, Suécia, Noruega e França), incluindo a chanceler alemã, Angela Merkel.

"É algo extremamente grave. Precisamos verificar se nossos sócios dinamarqueses da União Europeia cometeram erros, ou falhas, em sua cooperação com os serviços americanos", declarou o secretário de Estado francês para Assuntos Europeus, Clément Baune.

No que diz respeito à parte americana, o ministro pediu para "constatar se efetivamente aconteceram escutas, espionagem dos líderes políticos", sem descartar a possibilidade de "avaliar as consequências em termos de cooperação".

A espionagem de Washington sobre aliados europeus é amplamente conhecida desde as revelações de Edward Snowden, mas o papel que países da UE podem ter desempenhado na operação amplia ainda mais o escândalo.

Operação Dunhammer

De acordo com o canal DR, a Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) americana teve acesso a SMSs, ligações telefônicas e atividades na Internet, o que inclui buscas, chats e serviços de mensagens dos funcionários espionados. Entre eles, também está o ministro alemão das Relações Exteriores da época, Frank-Walter Steinmeier.

O que Copenhague sabia a respeito? A espionagem de altos funcionários poderia acontecer por sua colaboração no programa "XKeyscore", sem seu conhecimento?

As revelações do canal DR estão baseadas em um relatório confidencial da Inteligência militar dinamarquesa (FE). Batizada "Operação Dunhammer", foi ordenada em uma data não revelada pela direção da FE após o caso Snowden — algo que sugere que este serviço poderia não estar a par — e entregue em maio de 2015.

Procurada pela AFP, a FE se recusou a fazer comentários. Sem mencionar diretamente a questão, a ministra da Defesa da Dinamarca, Trine Bramsen, considerou "inaceitável", em um breve comunicado, "a espionagem sistemática de aliados próximos".

"É inaceitável que países que mantêm cooperação estreita entre aliados sintam a necessidade de se espionar", considerou a primeira-ministra sueca, Erna Solberg, citada pela emissora NRK.

O ministro sueco da Defesa, Peter Hultqvist, afirmou que esteve "em contato com o Ministério da Defesa dinamarquês para perguntar se usaram plataformas dinamarquesas para espionar políticos suecos".

Por sua vez, o porta-voz do governo alemão também afirmou que Berlim "está em contato com todos os interlocutores nacionais e internacionais para obter esclarecimentos".

Muito próximo a Washington

O caso joga nova luz sobre a destituição em agosto de 2020 do diretor da FE, Lars Findsen, de seu antecessor, Thomas Ahrenkiel — a quem havia sido prometido o cargo de embaixador justamente em Berlim —, e de outros três agentes. Eles foram destituídos por Bramsen que, de acordo com a DR, foi informada sobre a espionagem dos europeus na ocasião.

O motivo preciso do afastamento do grupo nunca foi divulgado, mas o governo os criticou por terem "ocultado informações essenciais e cruciais" e por "apresentação de informações incorretas" sobre as obtidas entre 2014 e 2020.

O serviço também foi criticado por ter obtido informações "não autorizadas" sobre cidadãos dinamarqueses e por não ter "acompanhado, ou investigado, outros indícios de espionagem".

"São novas peças do quebra-cabeças. É exatamente o mesmo escândalo que aquele que demonstrou que os serviços alemães haviam ajudado os americanos a espionar há alguns anos", declarou à AFP Thomas Wegener Friis, especialista em Inteligência da Universidade do Sul da Dinamarca.

Único país nórdico membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e da UE, a Dinamarca é um dos aliados mais próximos dos Estados Unidos na Europa e cedeu soldados durante a guerra no Iraque.

Snowden, que atualmente vive na Rússia, pediu a Copenhague e a Washington transparência "completa" sobre o tema em uma mensagem no Twitter.

Últimas