Internacional Após bombardeio russo destruir 3ª ponte, Ucrânia diz que cidade estratégica não está isolada 

Após bombardeio russo destruir 3ª ponte, Ucrânia diz que cidade estratégica não está isolada 

Segundo prefeito, Rússia segue tentando controlar Severodonetsk, no leste, enquanto militares ucranianos ainda resistem

AFP

Resumindo a Notícia

  • Severodonetsk está separada da vizinha Lysychansk pelo rio Donets
  • Prefeito informou que entre 540 e 560 pessoas estão refugiadas na fábrica de Azot
  • Governador regional disse que Moscou recebe reforços de dois grupos de batalhões táticos
  • Para a Rússia, controlar Severodonetsk é importante para conquistar a região do Donbass
Uma imagem de satélite mostra a ponte Pavlograd danificada no oeste de Severodonetsk

Uma imagem de satélite mostra a ponte Pavlograd danificada no oeste de Severodonetsk

Maxar Technologies/Reuters - 11.06.2022

As tropas russas destruíram uma terceira ponte que liga Severodonetsk com a vizinha Lysychansk, mas a cidade estratégica do leste da Ucrânia "não está isolada" e as forças de Kiev não estão bloqueadas, afirmou o prefeito da localidade nesta terça-feira (14). Severodonetsk está separada da vizinha Lysychansk pelo rio Donets.

"Bombardeios em larga escala destruíram uma terceira ponte, mas a cidade não está isolada. Há canais de comunicação, mas são complicados", disse o prefeito de Severodonetsk, Oleksandre Striuk, em entrevista a um canal local.

"As tropas russas não abandonam a tentativa de controlar a cidade, mas os militares resistem", acrescentou. Striuk destacou, no entanto, os "combates nas ruas" e disse que a situação muda a cada hora.

O prefeito também informou que de "540 a 560 pessoas" estão refugiadas nos túneis subterrâneos da fábrica de produtos químicos Azot, que foi bombardeada.

A entrega de suprimentos é "difícil", mas há "algumas reservas" na fábrica, disse. "O inimigo está destruindo nossa maior empresa", acrescentou.

"Os russos tentam cercar os ucranianos em Severodonetsk, Lysychansk e em algumas localidades próximas, como Pryvillia e Borivske", disse o governador regional, Sergiy Gaidai. De acordo com ele, as forças de Moscou receberam reforços de "dois grupos de batalhões táticos".

"A situação é muito grave", acrescentou Gaidai, que na última segunda-feira (13) anunciou a saída das forças ucranianas do centro de Severodonetsk.

Para a Rússia, controlar Severodonetsk — cidade de 100 mil habitantes — abriria o caminho para avançar em direção a outra grande cidade do Donbass, Kramatorsk, um passo importante para conquistar toda a região que já está parcialmente sob controle de rebeldes apoiados por Moscou desde 2014.

Estudantes ucranianos fazem ensaio de formatura em meio à destruição da guerra

Últimas