Internacional Após megaexplosão, ao menos 60 seguem desaparecidos em Beirute

Após megaexplosão, ao menos 60 seguem desaparecidos em Beirute

Desastre que devastou região do entorno do porto da capital libanesa na última terça (4) causou mais de 150 mortes e deixou cerca de 5 mil feridos

  • Internacional | EFE

Pelo menos 60 pessoas ainda estão desaparecidas por conta da explosão que devastou parte de Beirute na última terça-feira e até agora causou 154 mortes e deixou 5 mil feridos, de acordo com informações divulgadas neste sábado pelo Ministério da Saúde do Líbano.

Leia também: Manifestantes tomam ministérios em Beirute e falam em 'revolução'

Explosão devastou entorno do porto de Beirute

Explosão devastou entorno do porto de Beirute

Thibault Camus/ Pool via Reuters - 06.08.2020

A megaexplosão destruiu praticamente por completo o porto da capital, que é porta de entrada de alimentos no país, e os silos de armazenamento de grãos. No local do incidente estavam armazenadas de forma irregular 2.750 toneladas de nitrato de amônio - uma substância altamente explosiva e apontada como razão do impacto do desastre-, o que gerou a indignação da população.

Veja também: Em meio a crise e protestos, premiê libanês propõe antecipar eleições

O porta-voz disse hoje que seguem as buscas por 60 desaparecidos, embora tenha reconhecido que ainda estão revisando esses números.

A megaexplosão no porto de Beirute agravou a já difícil situação vivida pelo país desde o ano passado. A pior crise econômica desde a guerra civil (1975-1990) desencadeou no final de 2019 uma onda de 15 dias de protestos em todo o país que culminaram na renúncia do primeiro-ministro Saad al-Hariri no fim de outubro. A chamada “revolução do WhatsApp” seguiu em ebulição no início deste ano, com críticas a toda a classe política.

O quadro vinha se deteriorando ainda mais com os efeitos da pandemia do novo coronavírus. O desastre fez com que a população decidisse tomar as ruas. Um protesto violento contra o governo provocou confronto entre forças de segurança e milhares de manifestantes nas ruas da cidade. Prédios que abrigam quatro ministérios foram tomados.

Últimas