Novo Coronavírus

Internacional Após pior dia, Chile projeta aumento no número de casos de coronavírus

Após pior dia, Chile projeta aumento no número de casos de coronavírus

Foram registrados 1.647 novos doentes nas últimas 24 horas, o que deixou o país sul-americanos com quase 30 mil contágios

  • Internacional | Do R7

Agente de saúde verifica temperatura de jovem chileno

Agente de saúde verifica temperatura de jovem chileno

Ivan Alvarado/Reuters - 30.4.2020

Este domingo (10) foi o pior dia da pandemia de coronavírus no Chile quanto ao número de novos casos. Foram registrados 1.647 doentes, o que deixou o país sul-americano com 28.866 infectados pelo vírus.

Segundo informações do subsecretário de Redes de Saúde do Chile, Arturo Zuñiga, a tendência é de alta nesta semana em que o país sul-americano deverá alcançar 30 mil casos infectados.

Em entrevista coletiva, Zuñiga apresentou a atualização epidemiológica dos novos pacientes infectados pelo vírus SARS-CoV-2, com 1.406 novos pacientes que apresentaram sintomas e 241 que estavam assintomáticos.

O subsecretário acrescentou que, do total de casos confirmados no Chile, 13.112 já se recuperaram da doença e outros 15.438 são considerados casos ativos.

Além disso, a autoridade sanitária do governo acrescentou que nas últimas 24 horas houve 8 mortes causadas pela covid-19 no Chile, e o número aumentou para 312 óbitos desde que o primeiro caso foi registrado no país, em 3 de março.

Quanto à situação do sistema de saúde, a Subsecretaria disse que 565 pessoas estão internadas em unidades de terapia intensiva, das quais 470 requerem o uso de ventiladores mecânicos e destas 87 permanecem em estado crítico.

Fim do 'Cartão Covid'

O governo chileno havia anunciado há mais de um mês que daria aos pacientes que tivessem se curado da doença o chamado Cartão Covid, que os certificaria como tal. A medida seria implementada nos próximos dias, mas foi suspensa, segundo o ministro da Saúde, Jaime Mañalich.

A razão foi, como o próprio ministro admitiu, que poderia gerar uma espécie de "discriminação odiosa" entre as pessoas que o teriam, considerados livres para serem infectados, e quem ainda não foi contagiado.

"Fomos obrigados a ver que isso poderia desencadear um problema de discriminação bastante grave. É uma hipótese que tem que ser vista no sentido de que poderia acontecer e que uma pessoa com um Cartão Covid poderia ter privilégios sobre outras", declarou Mañalich.

Últimas