Aprovação de Trump cresce, mas Biden é preferido entre eleitores

Pesquisa indica que medidas relacionadas à pandemia de covid-19 serão tema central das eleições nos EUA, especialmente os planos de retomada

Aprovação de Trump oscila, enquanto Biden vira concorrente oficial dos Democratas

Aprovação de Trump oscila, enquanto Biden vira concorrente oficial dos Democratas

Fotos: EFE-EPA / Montagem: R7

O número de norte-americanos que aprovam o governo do presidente Donald Trump cresceu 5 pontos percentuais na última semana, mas eleitores registrados preferem o democrata Joe Biden nas eleições para presidente dos EUA por uma pequena margem, de acordo com uma pesquisa de opinião da Reuters/Ipsos publicada na terça-feira (14).

A sondagem, conduzida entre segunda e terça-feira, também mostrou que o público presta mais atenção às posições dos candidatos sobre a pandemia de coronavírus do que sobre o que eles estão dizendo sobre economia, cuidados médicos ou imigração. E mais pessoas acreditam que Biden seja mais preparado para guiar o país através da crise. 

No geral, 45% dos adultos nos Estados Unidos disseram que aprovam o desempenho de Trump no cargo, enquanto 48% disseram que aprovam a maneira que ele respondeu à covid-19, registrando uma alta de 5 e 6 pontos, respectivamente, de uma pesquisa semelhante conduzida na semana passada. A aprovação de Trump oscilou para baixo e para cima nas últimas semanas, no entanto, e não está claro ainda se os norte-americanos estão realmente se mobilizando em torno do presidente.

Eleitores registrados apoiam Biden

Enquanto isso, 45% dos eleitores registrados disseram que apoiariam Biden nas eleições do dia 3 de novembro, enquanto 40% disseram que votaria em Trump. Biden manteve uma pequena vantagem no apoio entre eleitores registrados nas últimas quatro semanas. 

A pesquisa foi conduzida com a maioria dos norte-americanos tendo de ficar em casa para se proteger do coronavírus, que já infectou mais de 600 mil pessoas nos Estados Unidos e matou mais de 25 mil.

Depois de inicialmente minimizar a ameaça do vírus, Trump conduziu uma série de pronunciamentos combativos à imprensa durante os quais bombardeou os jornalistas por terem o criticado. Biden, enquanto isso, tem batalhado para se manter relevante na discussão enquanto a imprensa se focou em pronunciamentos de governadores de alguns dos Estados mais atingidos pela epidemia. 

Planos pós-pandemia decidirão votos

Quando perguntados sobre o que era mais importante para decidir como votar nas eleições presidenciais de novembro, 32% afirmaram que era o plano para ajudar o país a se recuperar da crise causada pelo coronavírus. Um número menor disse que as posições dos candidatos sobre economia (21%), área da saúde (13%) ou imigração (5%) eram as mais importantes.

Cinquenta e dois por cento dos norte-americanos disseram que acreditam que Biden é mais preparado para lidar com o coronavírus, enquanto 48% respondeu que Trump seria melhor; 57% também responderam que acreditam que Biden seria um melhor administrador do sistema de Saúde do país enquanto 43% disseram que Trump poderia ser melhor.

Trump, no entanto, teve vantagem quando o público foi consultado sobre quem seria melhor para a economia dos EUA (53% a 47%).

A pesquisa Reuters/Ipsos foi conduzida online, em inglês, por todos os Estados Unidos. O levantamento reuniu respostas de 1.111 adultos norte-americanos, incluindo 937 deles que se identificaram como eleitores registrados. A pesquisa tem um intervalo de credibilidade, uma medida de precisão, de mais ou menos 4 pontos percentuais. 

(Reportagem de Chris Kahn)