Internacional Argentina investiga Macri por contrabando de munição

Argentina investiga Macri por contrabando de munição

Ex-presidente teria enviado às forças armadas bolivianas material usado para reprimir protestos de partidários de Evo Morales

AFP
Ex-presidente da Argentina Mauricio Macri é suspeito de contrabandear munição para a Bolívia

Ex-presidente da Argentina Mauricio Macri é suspeito de contrabandear munição para a Bolívia

EVA MARIE UZCATEGUI / AFP

A Promotoria argentina abriu um processo nesta sexta-feira (16) contra o ex-presidente Mauricio Macri, denunciado por contrabandear munição para a Bolívia em novembro de 2020, quando o país foi abalado por manifestações pela reeleição de Evo Morales, informaram fontes judiciais.

O promotor Carlos Navas Rial decidiu impulsionar a investigação contra Macri, com base em denúncias dos atuais ministros da Justiça, Martín Soria, e de Segurança, Sabina Frederic.

A acusação também incluiu a ex-ministra da segurança Patricia Bullrich e o ex-ministro da defesa Oscar Aguad no caso.

O chanceler boliviano, Rogelio Mayta, denunciou há uma semana que o governo de centro-direita de Macri (2015-2019) enviou munições e gás lacrimogêneo às forças armadas para reprimir os protestos dos partidários de Morales.

Poucos dias depois, o governo argentino denunciou Macri e vários de seus ministros por contrabando agravado de munições, crime que inclui penas de quatro a doze anos de prisão.

Macri negou as acusações e sustentou que seu governo concedeu asilo na embaixada argentina em La Paz a funcionários do governo de Morales.

"Quero negar categoricamente a veracidade dessas acusações", disse Macri em uma carta pública.

Mas o ministro Frédéric indicou que a munição foi enviada "secretamente" em um avião da Força Aérea argentina que levou 10 policiais à Bolívia para reforçar  a segurança da embaixada.

Para o ministro Soria, “o crime consiste em dizer que a munição vai para a embaixada e acaba em poder da aeronáutica boliviana e no posto policial”, segundo afirmou a um grupo de correspondentes estrangeiros.

Um juiz deve decidir em breve se toma uma declaração de investigação dos réus neste caso.

Últimas