Assessor da Casa Branca está com suspeita de coronavírus

A Comunicação está questionando a duração das coletivas diárias sobre coronavírus que geralmente são apresentadas por Trump e Pence

As coletivas de imprensa são feitas com Trump e Pence em um palco apertado

As coletivas de imprensa são feitas com Trump e Pence em um palco apertado

EFE/EPA/MICHAEL REYNOLDS

Um repórter da Casa Branca está com suspeita de ter contraído o coronavírus, disse a Associação de Correspondentes da Casa Branca nesta segunda-feira (23), levantando questões sobre a viabilidade de coletivas de imprensa que reúnem dezenas de jornalistas e funcionários do governo Trump em uma única sala todos os dias.

- Tire suas dúvidas no especial do R7 sobre coronavírus -

Em um comunicado, a associação não divulgou o nome do assessor, mas disse que entrou em contato com o médico da Casa Branca e a chefia do jornalista.

"Estamos em constante contato com a Associação de Correspondentes da Casa Branca e continuamos discutindo várias opções à medida que a situação evolui", disse a secretária de imprensa da Casa Branca, Stephanie Grisham.

"Trabalhamos muito bem juntos, com o objetivo compartilhado de saúde e segurança de todos, ao mesmo tempo em que divulgamos informações com responsabilidade ao público".

A notícia chega um dia após o republicano Rand Paul se tornar o primeiro senador dos EUA a dar positivo para o vírus, elevando o espectro de piora na área de Washington DC, que até agora foi poupado do peso.

A pandemia, com epicentros nos estados de Nova York, Califórnia e Washington, matou pelo menos 506 pessoas nos Estados Unidos e contaminou mais de 43 mil pessoas, levando os governadores a ordenar que milhões de americanos fiquem em casa e ameaçando com isso postos de trabalho.

A comunicação da Casa Branca questionou a duração das coletivas diárias sobre coronavírus, que geralmente são apresentadas o presidente Donald Trump e o vice-presidente Mike Pence espremidos em um pequeno palco cercado por um elenco em constante mudança de altos funcionários.

Nenhum funcionário sênior da administração foi diagnosticado com o vírus. Trump teve resultado negativo depois que casos entre vários membros da delegação do presidente Jair Bolsonaro, hospedados por Trump em seu clube da Flórida, foram divulgados. Pence também anunciou um resultado de teste negativo depois que seu escritório disse que um membro da equipe foi diagnosticado.

Algumas medidas foram tomadas para garantir maior segurança durante as entrevistas coletivas. Na semana passada, a WHCA limitou o número de jornalistas capazes de participar e anunciou novos cortes para aumentar o espaçamento entre os repórteres na segunda-feira. Os funcionários também realizam verificações de rotina das temperaturas dos jornalistas antes de comparecerem às sessões diárias.

Mas os críticos argumentam que a falta de espaçamento entre os participantes adequado coloca em risco as autoridades e jornalistas, e é um péssimo exemplo para os americanos as reuniões de mais de 10 pessoas, o que deve ser evitado no combate à propagação do vírus.

Anthony Fauci, o respeitado diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, não mediu palavras em entrevista à Science Magazine publicada no domingo.

"Eu continuo dizendo: 'Existe alguma maneira de termos uma conferência de imprensa virtual?'", Disse ele à revista. "Até agora, não. Mas quando você está lidando com a Casa Branca, às vezes você precisa dizer as coisas uma, duas, três, quatro vezes, e então acontece. Então, eu vou continuar pressionando."