Reino Unido

Internacional Assessor do Reino Unido alerta sobre desconfinamento apressado

Assessor do Reino Unido alerta sobre desconfinamento apressado

Em audiência, Chris Whitty afirmou que efetuar um relaxamento das medidas restritivas muito rapidamente colocaria vidas em risco

Whitty disse ainda que, em algum momento, aumento no número de casos será inevitável

Whitty disse ainda que, em algum momento, aumento no número de casos será inevitável

Neil Hall - EFE/EPA 21.09.2020

Especialistas do governo do Reino Unido fizeram um alerta nesta terça-feira (9) sobre o risco de um processo de desconfinamento "extremamente rápido" no país, o que poderia levar a um aumento significativo de casos de covid-19.

Em uma audiência na Comissão de Ciência e Tecnologia do Parlamento britânico, o assessor médico chefe do Executivo, Chris Whitty, afirmou que efetuar um relaxamento apressado das medidas restritivas seria "perigoso e colocaria vidas em risco", especialmente, dos mais vulneráveis, que ainda não foram vacinados. "Muitas pessoas poderiam acreditar que isso já acabou. É muito fácil esquecer que as coisas podem piorar."

Whitty, inclusive, garantiu que, em algum momento será inevitável sofrer um novo aumento no número de casos de infecção pelo novo coronavírus no território do Reino Unido. "Os modelos sugerem que haverá uma nova onda e que isso encontrará pessoas que ainda não foram vacinadas ou que a vacina ainda não tenha feito efeito. Alguns terminarão no hospital e, tristemente, alguns morreram."

As declarações do assessor do governo contrastam com a pressão de deputados do Partido Conservador, que pedem o relaxamento de medidas restritivas no curto prazo, já que as taxas de contágio estão em queda.

Nesta terça-feira, foi divulgado que o Reino Unido registrou mais 4.712 casos de covid-19 e 65 mortes em decorrência da doença nas últimas 24 horas; 22.377.255 pessoas já receberam a primeira dose da vacina contra o patógeno.

Últimas