Atirador de mesquita na França não responderá por terrorismo

Suspeito será investigado pelos crimes de tentativa de homicídio, degradação, destruição agravada e violência armada. Ataque deixou dois feridos

Ataque deixou duas pessoas feridas

Ataque deixou duas pessoas feridas

JEAN DANIEL CHOPIN/EPA - EFE - 28.10.2019

A unidade antiterrorismo da Procuradoria francesa não assumirá a investigação do ataque contra uma mesquita na cidade de Bayonne cometido por um antigo candidato de extrema-direita, após um exame psiquiátrico concluir que o atirador de 84 anos tem uma "deficiência parcial de julgamento e controle das ações".

Segundo o comunicado do Ministério Público de Bayonne, o suspeito segue detido e será investigado pelos crimes de tentativa de homicídio, degradação, destruição agravada e violência armada.

O homem, que confessou ter a intenção de incendiar a mesquita para vingar o fogo que atingiu a catedral de Notre Dame — que ele acredita ter sido provocado por muçulmanos, apesar dos indícios de que se tratou de um acidente —, permanecerá criminalmente responsável pelo ataque, que deixou duas pessoas gravemente feridas por tiros.

"O interrogatório levanta dúvidas sobre seu estado mental", disse o procurador de Bayonne, Marc Mariée, em entrevista coletiva na terça-feira (29).

Mariée afirmou que durante a batida na casa do atirador foram apreendidas granadas e armas. Na residência também foi encontrada uma carta dirigida ao Ministério Público de Dax para apresentar uma queixa contra o presidente da França, Emmanuel Macron.

O atirador, candidato em 2015 pelo partido de extrema-direita Frente Nacional, jogou combustível na porta da mesquita, incendiou-a e atirou em duas pessoas, de 74 e 78 anos, que estão gravemente feridos e ainda internados, mas sem risco de morte.