Coronavírus

Internacional Austrália passa por desafios tentando evitar focos de covid

Austrália passa por desafios tentando evitar focos de covid

Autoridades acreditam que novo surto começou depois que homem que trabalha com viajantes contraiu a variante Delta

AFP
Austrália passa por desafios tentando evitar focos de covid

Austrália passa por desafios tentando evitar focos de covid

Loren Elliott/Reuters - 17.6.2021

Sydney combatia um novo foco de covid-19 nesta terça-feira (22), enquanto o último foco detectado em Melbourne parece retroceder, em uma demonstração das dificuldades da Austrália para acabar com os pequenos surtos de coronavírus.

Dez pessoas foram diagnosticadas com covid-19 durante a noite, o que eleva o problema detectado na semana passada em Bondi Beach na semana passada a 21 casos.

A primeira-ministra do estado de Nova Gales do Sul, Gladys Berejiklian, afirmou que as autoridades de saúde esperam que o foco de Sydney continue aumentando nos próximos dias, depois que várias pessoas testaram positivo para covid-19 apesar de não terem contato físico com nenhuma pessoa infectada, em um café e em um shopping.

Em resposta, o governo ordenou o retorno da obrigatoriedade do uso de máscara no transporte público e nas lojas de grande parte de Sydney, a cidade de maior população do país, mas não retomou as medidas de confinamento.

As autoridades acreditam que o surto começou depois que um homem que trabalha como motorista para tripulações de voos internacionais contraiu a variante Delta do vírus, altamente contagiosa e que foi identificada pela primeira vez na Índia.

Ao mesmo tempo, em Melbourne (5 milhões de habitantes) as restrições continuam sendo flexibilizadas, com a redução dos novos casos nos últimos dias.

A Nova Zelândia e vários estados australianos anunciaram a suspensão das restrições às viagens impostas no mês passado, depois que foram detectados dezenas de casos em Melbourne, cidade que instaurou um confinamento de duas semanas.

Até o momento, Austrália registrou quase 30 mil casos de covid-19 e 910 mortes.

Últimas