Austrália relaxará isolamento de edifícios focos de surto de covid-19

Condomínio de moradia popular em Melbourne tinha proibição total de circulação, regras que serão suavizadas após testes nos 3 mil moradores

Para garantir isolamento, condomínio foco de covid em Melbourne recebeu mantimentos

Para garantir isolamento, condomínio foco de covid em Melbourne recebeu mantimentos

Melanie Burton / Reuters - 8.7.2020

Os nove edifícios de moradias populares no subúrbio de Melbourne, na Austrália, que estavam completamente isolados em um esforço para combater um novo surto de coronavírus na região terão regras mais suaves, permitindo que a maioria dos seus 3 mil moradores possam seguir as mesmas medidas de lockdown adotadas para os outros 5,5 milhões de habitantes da segunda maior cidade do país.

O estado de Vitória, onde Melbourne está localizada, confinou moradores das torres em casa devido a uma disparada de casos da doença, o que provocou críticas generalizadas dos moradores. Eles não podiam sair de suas casas por qualquer razão.

Saiba mais: Por surto de covid, 2ª maior cidade da Austrália está em lockdown

Uma estrutura de atendimento médico e de distribuição de mantimentos foi montada, enquanto a polícia vigiava os oito prédios que fazem parte do condomínio, no bairro de Flemington.

O primeiro-ministro estadual, Daniel Andrews disse que, depois de examinar todos os moradores do condomínio, que aqueles que não foram diagnosticados com covid-19 terão permissão de sair para motivos essenciais — as mesmas regras em vigor em todo o Estado.

Uma das torres, no entanto, permanecerá em isolamento total. "Existem tantos números de casos positivos, juntamente com contatos próximos conhecidos, que a suposição tem que ser a de que todos naquela torre são um contato próximo de alguém que é positivo", disse Andrews.

Moradores aliviados

O relaxamento das regras aliviou os moradores, muitos dos quais disseram ter ficado sem alimento e suprimento suficientes.

"Não posso mais manter meus filhos em casa. Não posso, quer eles atirem em mim ou não. Não acho que consigo ficar mais aqui, sem que me deixem brincar nem uma hora lá fora", disse Amina Yussuf, cidadã australiana e de origem somali que mora com os sete filhos em um apartamento de dois quartos em uma das torres de Melbourne na qual o isolamento rigoroso está terminando.

Vitória impôs restrições amplas a quase 5 milhões de habitantes para conter a disseminação do coronavírus, permitindo que as pessoas saiam de casa somente para trabalhar, comprar comida ou procurar atendimento médico.

Temores de segunda onda da pandemia

A Austrália vem evitando os números altos de vítimas de outros países atingidos pela pandemia de covid-19, que já matou 544.055 pessoas em todo o mundo, mas o surto de Vitória provocou o temor de uma segunda onda em toda a nação.

Outros Estados e territórios registraram poucos ou nenhum caso nas últimas semanas e continuam a reativar as economias, mas o primeiro-ministro, Scott Morrison, pediu aos moradores para não abaixarem a guarda.

"Precisamos continuar a seguir os protocolos de distanciamento social em toda a Austrália, mesmo em Estados e territórios onde o número de casos é efetivamente zero", disse Morrison aos repórteres em Canberra.

Até esta quinta-feira (9), o país havia registrado cerca de 8.900 infecções e 106 mortes.