Internacional Avanço do Brasil no IDH pode ajudar a conquistar espaço no Conselho de Segurança, diz ONU

Avanço do Brasil no IDH pode ajudar a conquistar espaço no Conselho de Segurança, diz ONU

Relatório do PNUD foi divulgado nesta quinta-feira

  • Internacional | Marina Marquez, do R7, em Brasília

O Relatório do Desenvolvimento Humano de 2013 do PNUD (Programa das Nações Unidas Desenvolvimento), divulgado nesta quinta-feira (14) pela ONU (Organização das Nações Unidas), traz resultados que podem ajudar o Brasil a conquistar um espaço no Conselho de Segurança da ONU.

O Brasil continua na 85ª posição no ranking de IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), mas teve tem se tornado um exemplo de políticas para mudança e de investimento em saúde e educação, de acordo com o coordenador-residente do Sistema Nações Unidas no Brasil e representante do PNUD no País, Jorge Chediek.

— Quando se fala em Conselho de Segurança se fala em processo político. Estamos falando de poder de vários países. Para o Brasil ganhar mais espaço, outros têm que ceder espaço e isso vai ser produto de uma negociação. O que o relatório mostra em dados é que essas instituições globais têm que mudar para reconhecer essa liderança e esse peso específico de outros países no cenário global.

Brasil vira exemplo no combate à pobreza para ONU, mas patina e mantém 85º lugar em ranking de IDH

Leia mais notícias de Internacional

Chediek acredita que o País é uma potência "de exemplos" positivos para outros países em desenvolvimento e até para países desenvolvidos.

— O Brasil tem virado uma super potência de soft power. E esse soft power é um poder não de armas e não financeiro, mas um poder moral, de exemplo. E o mundo está reconhecendo esse maior engajamento do Brasil e da sociedade brasileira em nível global.

O representante do PNUD no Brasil disse que mensalmente recebe organizações de outros países buscando conhecer de perto as experiências do Brasil no combate à pobreza e que isso mostra "a importância real do país no atual cenário mundial.

No entanto, para conquistar a tão sonhada cadeira no Conselho de Segurança, ele acredita que as autoridades brasileiras e a sociedade em si precisará mudar de postura.

— O Brasil tem que assumir isso [liderança], mudar de postura. A sociedade tem que estar ciente da importância do País hoje a nível global.

Últimas