Avião cai no Irã: o que se sabe sobre queda do Boeing 737 ucraniano que caiu com 176 pessoas a bordo

Embaixada da Ucrânia em Teerã informou que acidente foi causado por uma falha no motor da aeronave, e que não há relação com terrorismo ou com conflito entre EUA e Irã

    • Internacional
    • por
      BBC NEWS BRASIL
 Crescente Vermelho acredita que não há chance de encontrar sobreviventes

Crescente Vermelho acredita que não há chance de encontrar sobreviventes

BBC NEWS BRASIL

Um avião ucraniano com mais de 170 pessoas a bordo caiu na manhã desta quarta-feira no Irã.

A queda do Boeing-737 teria ocorrido logo após a decolagem, às 6h12 (horário local), do aeroporto internacional Imam Khomeini, em Teerã, conforme informou a Fars, agência estatal de notícias.

O voo PS752 da companhia Ukraine International Airlines seguia da capital iraniana com destino a Kiev, na Ucrânia.

E, de acordo com a agência humanitária Crescente Vermelho, não há chance de encontrar sobreviventes.

A embaixada da Ucrânia em Teerã responsabilizou inicialmente uma falha do motor pelo acidente, mas depois retirou a declaração.

E afirmou que qualquer comentário sobre a causa do acidente antes do fim da investigação não era oficial.

"De acordo com as informações preliminares, o avião caiu como resultado de uma falha no motor por razões técnicas. Neste momento, a versão de um ataque terrorista está descartada", dizia o texto publicado inicialmente no site do Ministério de Relações Exteriores da Ucrânia.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, que estava em viagem a Omã, anunciou que estava voltando para Kiev. E alertou contra "especulações ou teorias sobre a tragédia" até que os relatórios oficiais estivessem prontos.

"Minhas sinceras condolências aos parentes e amigos de todos os passageiros e tripulantes", acrescentou em comunicado.

De acordo com o primeiro-ministro da Ucrânia, Oleksiy Honcharuk, havia 168 passageiros e nove tripulantes a bordo do voo.

Entre as vítimas, estão 82 iranianos, 63 canadenses, 11 ucranianos, incluindo toda a tripulação, 10 suecos, quatro afegãos, três britânicos e três alemães, disse o ministro das Relações Exteriores, Vadym Prystaiko.

Equipes de resgate foram enviadas para o local do acidente, mas o chefe do Crescente Vermelho no Irã afirmou à imprensa estatal que era "impossível" alguém ter sobrevivido.

A caixa preta do avião já teria sido encontrada, segundo informou a emissora estatal iraniana IRIB.

De acordo com Zelensky, a Ucrânia organizou aviões especiais para voar até o Irã e repatriar os corpos das vítimas, o que estava pendente apenas da aprovação do governo iraniano.

Mais cedo, havia especulações de que o incidente poderia estar relacionado ao conflito entre o Irã e os EUA.

A tensão entre os dois países escalou drasticamente na última sexta-feira, após a morte do general iraniano Qasem Soleimani, em um ataque aéreo ordenado pelo presidente americano, Donald Trump, em Bagdá.

E levantou temores de um conflito direto entre as duas potências.

Em retaliação à morte do general, considerado um herói nacional no país persa, o Irã disparou mísseis na noite de terça-feira contra duas bases aéreas que abrigam tropas americanas no Iraque.