Internacional Biden diz que chance de novo ataque a aeroporto de Cabul é alta

Biden diz que chance de novo ataque a aeroporto de Cabul é alta

Presidente dos EUA afirma que novo ataque no Afeganistão nas próximas 24 a 36 horas é 'altamente provável'

AFP
Biden alertou que bombardeio contra Estado Islâmico não será o último

Biden alertou que bombardeio contra Estado Islâmico não será o último

Joshua Roberts / Getty Images via AFP - 28.8.2021

O presidente dos Estados Unidos Joe Biden alertou neste sábado(28) que um novo ataque ao aeroporto de Cabul é "muito provável" nas "próximas 24 a 36 horas" e que o bombardeio americano que matou dois membros do grupo Estado Islâmico não será "o último".

Leia também: Exército dos EUA começa retirada do aeroporto de Cabul

"A situação no local continua extremamente perigosa e a ameaça de um ataque terrorista no aeroporto continua alta", escreveu o presidente em um comunicado após se reunir com seus conselheiros militares e de segurança.

"Nossos comandantes me informaram que um ataque nas próximas 24 a 36 horas é muito provável.", afirmou ele.

Na quinta-feira, um ataque nos arredores do aeroporto de Cabul matou mais de 170 pessoas, incluindo 13 soldados americanos.

O atentado, reivindicado pelo grupo Estado Islâmico em Khorasan (EI-K), motivou retaliações por parte dos militares dos EUA.

Dois "alvos importantes" do EI-K, "organizadores" e "operadores" do grupo, foram mortos e outro ficou ferido em um ataque com drones realizado pelos Estados Unidos no Afeganistão, anunciou o Pentágono neste sábado. Washington não revelou os nomes de seus alvos.

"Eu disse que iríamos atrás do grupo responsável pelo ataque a nossas tropas e civis inocentes em Cabul, e fomos", disse Biden em sua declaração.

"Este ataque não foi o último. Continuaremos a rastrear qualquer indivíduo envolvido neste atentado hediondo e faremos com pague por isso".

Na tarde deste sábado, o Pentágono divulgou a identidade dos 13 soldados mortos no ataque de quinta-feira. Cinco deles tinham 20 anos, a duração da guerra mais longa já travada pelos Estados Unidos, que começou em 2001 no Afeganistão.

"Sua coragem e altruísmo permitiram até agora que mais de 117.000 pessoas em perigo estivessem seguras", disse Biden.

Os restos mortais desses soldados foram enviados para os Estados Unidos neste sábado, segundo o Pentágono.

Últimas