Era Trump

Internacional Biden segue montando equipe depois de Trump aceitar derrota

Biden segue montando equipe depois de Trump aceitar derrota

Atual presidente dos EUA vai abrir caminho para governo de transição e presidente eleito terá verba para escolher funcionários e acesso à informação

Reuters
Biden segue montando equipe

Biden segue montando equipe

Jonathan Ernst/Reuters - 9.11.2020

O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, iniciou nesta terça-feira (24) uma nova fase de sua transição para a Casa Branca, já que o governo Trump deu ao democrata acesso a recursos essenciais que lhe permitirão assumir as rédeas do poder em janeiro.

O anúncio de segunda-feira da Administração de Serviços Gerais (GSA) de que reconhecerá formalmente a transição de Biden veio semanas depois de Trump alegar falsamente que a eleição de 3 de novembro foi marcada por uma fraude eleitoral generalizada.

Em um tuíte, Trump ofereceu seu apoio à medida.

Críticos dizem que a recusa do presidente de aceitar os resultados minou a democracia norte-americana e prejudicou a capacidade do novo governo para combater o novo coronavírus.

Embora Trump não tenha admitido a derrota, o gesto foi o mais perto que ele chegou de reconhecer que é hora de ceder o poder a Biden, que tomará posse no dia 20 de janeiro.

Mais verba e acesso à informação

O anúncio do GSA permitirá que o presidente eleito acesse milhões de dólares de fundos e se concentre em montar uma equipe de liderança.

Também abre caminho para Biden e a vice-presidente eleita, Kamala Harris, receberem informes de segurança nacionais frequentes que Trump também recebe.

Também nesta terça-feira, Biden e Harris devem apresentar formalmente seus indicados a cargos essenciais de segurança nacional e de política externa em Wilmington, no Delaware.

Dois funcionários do governo Trump disseram que as equipes de análise de agências de Biden podem começar a interagir com autoridades de agências de Trump ainda nesta terça-feira.

A equipe de transição de Biden anunciou o início de reuniões com autoridades federais para tratar da reação à pandemia de coronavírus, além de conversas sobre questões de segurança nacional.

Na segunda-feira, Biden anunciou o assessor de confiança Antony Blinken como secretário de Estado e John Kerry, ex-senador e candidato presidencial democrata em 2004, como seu enviado especial para o clima.

Biden, que planeja descartar muitas das diretrizes da doutrina "A América Primeiro" de Trump, também nomeou Jake Sullivan como conselheiro de Segurança Nacional e Linda Thomas-Greenfield como embaixadora na Organização das Nações Unidas (ONU).

Ele ainda escolheu Janet Yellen, ex-presidente do Fed, como secretária do Tesouro.

Últimas