Bolívia fechará fronteiras do país a partir desta quinta-feira

Outra medida é a proibição, em 72 horas, de todos os voos internacionais e a proibição da entrada de estrangeiros no país

Áñez afirmou que esta etapa é de "maiores sacrifícios" para evitar a disseminação

Áñez afirmou que esta etapa é de "maiores sacrifícios" para evitar a disseminação

David Mercado/Reuters - 22.12.2019

A presidente da Bolívia, Jeanine Áñez, afirmou nesta terça-feira (17) que as fronteiras do país serão fechadas daqui dois dias para estrangeiros, e que só serão permitidos retornos de bolivianos e residentes, em medida que visa conter a propagação do novo coronavírus.

- Tire todas as suas dúvidas sobre o coronavírus no R7 -

"Dói em mim impor medidas tão fortes, mas o faço com firmeza", disse a mandatária, que se autoproclamou em novembro, após a renúncia de Evo Morales e de todo o primeiro escalão do governo e dos presidentes do Parlamento.

Áñez explicou, em pronunciamento exibido na emissora pública de televisão, que a Bolívia está entrando em uma etapa de "maiores sacrifícios" para evitar o aumento de número de casos de infecção pelo novo coronavírus, que até o momento é de 12.

Segundo a presidente interina, apenas poderão entrar nos aeroportos do país os cidadãos nacionais e os estrangeiros que tiverem autorização para residência.

Outra das medidas anunciadas foi a proibição, em 72 horas, de todos os voos internacionais, ampliando uma medida que já vigorava para a Europa, China, Coreia do Sul e Irã.

Medidas Internas

A decisão do governo visa blindar a Bolívia de importação de casos de coronavírus, já que quatro dos pacientes estiveram recentemente em Espanha e Itália. Apesar disso, Áñez anunciou medidas internas para evitar a propagação do coronavírus.

Estão restritas as viagens internas e haverá redução do horário de trabalho de 8h até 15h. No próximo dia 31, todas as imposições e limitações serão reavaliadas pelas autoridades locais.

Os governos regionais e prefeituras por toda a Bolívia também apresentaram diversas medidas, como a imposição de quarentenas durante vários dias, inclusive na cidade de Santa Cruz, a maior do país.