Novo Coronavírus

Internacional Boris Johnson mantém decisão de relaxar restrições no Natal

Boris Johnson mantém decisão de relaxar restrições no Natal

Primeiro-ministro britânico disse que irá liberar circulação de pessoas para as festas entre os dias 23 e 27 deste mês, mesmo com aumento de casos

  • Internacional | Da EFE

Primeiro-ministro falou que não deseja 'criminalizar' as pessoas

Primeiro-ministro falou que não deseja 'criminalizar' as pessoas

Jessica Taylor / Parlamento Britânico via EFE - EPA - 16.12.2020

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, afirmou nesta quarta-feira (16) que manterá os planos de relaxar as restrições impostas por causa da pandemia do novo coronavírus no Natal, apesar do aumento recente no número de casos de infecção e apelou para a responsabilidade pessoal da população.

Leia também: Mulher de 90 anos é 1ª a receber vacina da covid no Reino Unido

"Não seria correto criminalizar as pessoas que fizeram planos e que, simplesmente, querem passar um tempo com seus entes queridos", explicou o premiê, em entrevista coletiva concedida na sede do governo, em Downing Street.

O Executivo britânico já havia entrado em acordo com os três governos autônomos do Reino Unido, de Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte, manter invariáveis as restrições legais previstas para o período entre 23 e 27 de dezembro.

'Bolhas de Natal'

Durante esses dias, as pessoas poderão viajar por todo o país para participar uma "bolha de Natal", ou seja, reunião que pode incluir indivíduos de até três casas diferentes.

No entanto, hoje, Johnson insistiu que se trata de limites máximos estabelecidos pela lei, mas que isso não pode ser tratado como um objetivo a ser alcançado pela população. Pelo contrário, o premiê recomendou que os contatos pessoais fossem minimizados o máximo possível durante o Natal.

"As leis vão ser as mesmas, mas queremos transmitir a mensagem de que um Natal menor vai ser um Natal mais seguro", disse Johnson.

Ontem, a revista científica British Medical Journal alertou que suavizar as medidas de restrição poderia "custar muitas vidas".

Segundo o último balanço oficial, o Reino Unido teve 137.876 casos de infecção nos últimos sete dias, o que representa aumento de 28,7% na comparação com o período anterior de sete dias.

Últimas