Novo Coronavírus

Internacional Brasileiros ilhados na Namíbia festejam retorno ao país: 'Alívio'

Brasileiros ilhados na Namíbia festejam retorno ao país: 'Alívio'

Após 30 dias em Windhoek, casal foi levado pela Embaixada até Luanda, onde embarcou em voo de repatriação com outros brasileiros na África

  • Internacional | Cesar Sacheto, do R7

Advogada Simone Faleiros de Melo comemora volta ao Brasil após 30 dias

Advogada Simone Faleiros de Melo comemora volta ao Brasil após 30 dias

Arquivo Pessoal

A aventura vivida pelo casal Simone Faleiros de Melo e Eduardo Pereira de Almeida em Windhoek, na Namíbia, terminou após quase um mês de confinamento no país africano, onde ambos permaneceram ilhados depois da instauração de medidas severas por parte das autoridades locais para o enfrentamento da pandemia do novo coronavírus. Ambos não esconderam o sentimento de alegria pelo regresso ao Brasil, no último fim de semana.

Leia também: Covid-19: número de brasileiros repatriados sobe para 17 mil

A advogada e o engenheiro - que é hipertenso e, por isso, faz parte do grupo de risco da doença - partiram para uma uma viagem de férias com o desejo de trazer na bagagem boas lembranças. Eles viram os planos se tornarem um pesadelo em função das consequências do adiamento da volta para casa, como problemas de ordem econômica e emocional.

No entanto, o casal enfatizou que todos os contratempos foram superados pelo alívio ao pisar em solo brasileiro novamente. Inclusive o desgaste provocado pela falta de apoio por parte da Embaixada do Brasil na capital namibiana nas primeiras semanas em que estiveram retidos no país, conforme as palavras de Simone.

"Chegamos, felizmente. Estamos em casa. Foi muito cansativo, mas muito legal. Tudo o que eles [a Embaixada brasileira em Windhoek] não fizeram o tempo em que estivemos lá, fizeram no embarque. Pegamos um voo pequeno, eu, meu marido e uma brasileira que nem sabíamos estar lá. Fomos os três em um jato menor até Luanda. Lá, pegamos a conexão e viemos para o Brasil", recordou.

Simone Faleiros de Melo contou ainda que a saída de Maputo, capital de Luanda, sofreu um atraso de aproximadamente cinco horas. Marcado para decolar por volta das 13h (horário local), o voo com outros brasileiros repatriados chegou ao aeroporto internacional de Cumbica, na Grande São Paulo, somente às 23 horas (horário de Brasília). "Chegamos cansadissimos, destruídos. Mas é uma alegria sem tamanho", destacou a advogada.

De volta ao lar, Simone e Eduardo reencontraram amigos, parentes - os pais do engenheiro têm mais de 80 anos e dependem do filho para diversos afazeres - e os pets que haviam deixado para trás.

Ambos também garantem que estão cientes das cautelas a serem adotadas em sua rotina devido ao avanço da covid-19 no país. "Temos quatro gatos que estavam quase morrendo de solidão. Familia, todo mundo [estavam aflitos]. Estamos muito felizes e vamos continuar tomando os cuidados que devemos ter com a pandemia", finalizou a advogada Simone Faleiros de Melo.

Repatriação na África

O Itamaraty confirmou, em uma publicação nas redes sociais, a partida de Luanda com destino a São Paulo no fim da tarde da última sexta-feira (24). O voo de repatriação fretado pelo Ministério das Relações Exteriores transportou 240 passageiros em uma operação que mobilizou embaixadas brasileiras em três países: Angola, Moçambique e Namíbia.

Em imagens, como a covid-19 mudou o jeito que mundo vai ao mercado:

Últimas