Caravana que prepara ajuda humanitária é atacada na Venezuela

Imagens e os relatos estão nas redes sociais do presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, e mostram vidros de ônibus quebrados e estilhaços

'Não querem deixar entrar ajuda humanitária', disse Guaidó

'Não querem deixar entrar ajuda humanitária', disse Guaidó

REUTERS/Andres Martinez Casares/21.02.2019

Deputados venezuelanos, que integram a caravana que segue para a fronteira da Venezuela com a Colômbia, denunciam nas redes sociais que os ônibus nos quais estão foram alvos de ataques durante a madrugada de hoje (22). Imagens mostram vidros quebrados e estilhaços.

As imagens e os relatos estão nas redes sociais do presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, e da Assembleia Nacional Constituinte do país.

“Não vão nos impedir que chegue a ajuda humanitária”, afirmou a deputada Mariela Magallanes em um vídeo postado nas redes sociais. “Não querem deixar entrar ajuda humanitária, então vamos caminhando, atravessando o Túnel de La Cabrera [fronteira com a Colômbia}”, acrescentou a deputada Delza Solozano também em vídeo.

A Assembleia Nacional Constituinte é formada majoritariamente por parlamentares oposicionistas ao presidente venezuelano, Nicolás Maduro. Em seus discursos, ele diz que o Parlamento é ilegítimo. Porém, todos os parlamentares foram eleitos. 

Ajuda

A caravana se destina a apoiar o esquema organizado para distribuição amanhã (23) de ajuda humanitária, doada por países que respaldam o governo interino de Juan Guaidó, à população venezuelana.

De acordo com os parlamentares, houve ataques com “objetos contundentes” na região próxima à cidade de Guanare, no estado Portuguesa. Segundo os deputados, um dos motoristas foi ferido “gravemente”.

No seu perfil no Twitter, Guaidó reiterou o apoio aos parlamentares. “Respaldo total a nossos deputados e voluntários que se dirigem em caravana para Cúcuta, para a entrada da ajuda humanitária. A Venezuela está mobilizada com um propósito nobre e pacífico: salvar vidas. Não há razão alguma para impedir a esperança no país.”

Esquema militar na fronteira

Nas redes sociais, os deputados da Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela relatam um forte esquema militar, organizado pelo presidente venezuelano, Nicolás Maduro, na fronteira com o Brasil. No Twitter, um parlamentar promete enfrentar o bloqueio com “coragem e moral”.

Maduro anunciou ontem (21) o fechamento da área para impedir a entrada de ajuda humanitária, organizada pelos Estados Unidos e Brasil com colaboração de vários países e entidades internacionais.

Em um vídeo, postado na sua conta pessoal no Twitter, o deputado Americo De Grazia relata clima de tensão na fronteira e diz que três generais foram enviados para a região.

Como o vídeo foi postado de madrugada, ele anunciou reação para hoje (22) ao longo do dia. “Abriremos a fronteira com coragem e moral", afirmou.