Novo Coronavírus

Internacional Casos de covid-19 aumentam e Israel pode isolar até 10 cidades

Casos de covid-19 aumentam e Israel pode isolar até 10 cidades

Presidente do país criticou ações do governo, enquanto o ministro da Defesa, Benny Gantz, e todo um batalhão do exército foram para a quarentena

  • Internacional | Do R7

Policiais patrulham centro de Jerusalém; cidade pode ter lockdown em breve

Policiais patrulham centro de Jerusalém; cidade pode ter lockdown em breve

Abir Sultan / EFE - EPA - 8.7.2020

Um aumento no número de casos de covid-19 em Israel nos últimos dias causou uma confusão política no país nesta quarta-feira (8). O presidente Reuven Rivlin criticou as ações do governo no combate à pandemia do novo coronavírus, membros discutem a possibilidade de lockdown em diversas cidades e o ministro da Defesa, Benny Gantz, se colocou em quarentena.

Leia também: Caso de covid-19 obriga fechamento de edifício presidencial israelense

O país registrou 1.348 novos casos nas últimas 24 horas, o maior aumento diário desde o início da pandemia. Isso levou o presidente Reuven Rivlin a criticar o governo dirigido pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu durante uma entrevista para uma emissora local.

"O governo não desenvolveu uma linha clara para combater o coronavírus. Não temos um órgão do governo para coletar a informação, administrar o combate e esclarecer o público. As rédeas devem ser dadas ao órgão que puder trazer os melhores resultados e os outros devem ser subordinados e ajudar", disse Rivlin, segundo o jornal Jerusalem Post.

Lockdowns e contaminados

Enquanto isso, Netanyahu consultou o ministro da Saúde, Yuli Edelstein, sobre a possibilidade de decretar lockdown em diversas cidades. A primeira a ser posta em isolamento foi Beitar Illit, onde 169 pessoas se infectaram. As próximas pode ser Jerusalém, Ashdod, Lod, Modiin Illit, Ramle, Raanana, Beit Shemesh, Bnei Brak e Kiryat Malachi.

No início do dia, o ministro da Defesa, Benny Gantz, um dos líderes do governo, foi colocado em quarentena, juntamente com um batalhão inteiro de mais de 300 soldados das forças de segurança de Israel (IDF). Eles tiveram contato com pacientes de covid-19 e aguardam os resultados dos exames para saber se foram infectados.

"Eu me sinto bem e pretendo continuar trabalhando normalmente de casa. Só não temos espaço para correr riscos", disse Gantz em entrevista.

O batalhão Nachshon, da IDF, foi colocado inteiro em isolamento depois que diversos soldados tiveram testes positivos para o coronavírus. Segundo a imprensa israelense, a origem da infecção pode ter sido uma militar que organizou uma festa de aniversário em que um dos convidados estava contaminado.

A soldado, que também foi infectada pela covid-19 e está em isolamento, pode ser processada depois que se recuperar.

Reabertura e números

O governo espera definir nos próximos dias um plano para a reabertura das escolas a partir do início de setembro, mas ainda há dúvidas sobre os formatos e como serão os funcionamentos das escolas infantis e das fundamentais. O ministro da Educação, Yoav Galant, prometeu fornecer máscaras, luvas e toda a infraestrutura necessária.

Segundo os últimos números do ministério da Saúde, o país tem agora 113 pacientes graves de covid-19, contra 86 do dia anterior, e 405 internados. No total, 33.175 pessoas foram infectadas pelo coronavírus desde o início da pandemia em Israel, com 344 mortes. Na Palestina, foram registrados 300 novos casos.

Últimas