Internacional Causa da morte de Chávez ainda permanece em segredo

Causa da morte de Chávez ainda permanece em segredo

Segundo médicos, a explicação de que a morte tenha sido causada por infarto não deixa pistas sobre sua verdadeira doença

Venezuelanos se despedem de Chávez neste sábado (9)

Venezuelanos se despedem de Chávez neste sábado (9)

09.03.2013/Palácio Miraflores/AFP

A causa da morte do ex-presidente da Venezuela Hugo Chávez ainda permanece cercada de forte sigilo, com características que se assemelham a um 'segredo de Estado'.

Segundo o chefe da guarda presidencial, general José Ornella, Hugo Chávez teria morrido de um ataque cardíaco.

O governo, porém, resiste em revelar informações detalhadas sobre o que de fato vitimou o líder venezuelano.

Eleições serão realizadas em 14 de abril na Venezuela

Chávez enfrentou uma longa batalha contra um câncer. Foi tratado em Cuba e submetido a quatro operações. Após a última delas, teria tido uma infecção respiratória que agravou seu estado de saúde, segundo o ministro da Informação do país, Ernesto Villegas.

Para analistas, por trás da estratégia de não divulgar detalhadamente a causa da morte do líder venezuelano estaria a tentativa de evitar 'oferecer ao inimigo' dados sensíveis que poderiam ser usados para 'desestabilizar a causa bolivariana no país', como justificaram por mais de uma vez os porta-vozes oficiais.

Parada cardíaca

Na última terça-feira (5), em declarações à agência de notícias AP, Ornella, da guarda presidencial, afirmou que Chávez morreu por causa de 'um infarto fulminante'.

'Sofreu bastante. Nós que estávamos a seu lado...sofreu muito com essa doença', disse, segundo a agência.

A BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC, conversou com médicos para tentar esclarecer o que há por trás do sigilo sobre a doença presidencial.

Segundo eles, a declaração de que Chávez morreu devido a 'uma parada cardíaca fulminante' não dá indicativos sobre qual era, de fato, a doença que o vitimou.

Fontes próximas ao governo venezuelano também acrescentaram à BBC Mundo que desconhecem as razões do governo para lançar mão do sigilo.

O governo, por outro lado, continua a reter detalhes sobre a morte do presidente. Funcionários chegaram, inclusive, a qualificar a atitude da oposição, que cobrou a divulgação das informações, de 'mórbida' e de ser uma tentativa de ganhar popularidade em cima da morte de Chávez.

O último sacrifício

Na Venezuela, entretanto, a cobrança por mais informações parece não ter tanta importância entre os apoiadores de Chávez.

'Chávez mentiu para nos proteger', disse, em meio a lágrimas, a aposentada venezuelana Patricia, que segurava em suas mãos uma fotografia de Chávez sorridente, enquanto esperava sentada a passagem do cortejo fúnebre.

Segundo ela, Chávez, apesar da doença, decidiu candidatar-se à reeleição em outubro do ano passado para 'evitar um retorno da direita ao poder'.

Veja os líderes que, assim como Hugo Chávez, tiveram os corpos embalsamados

Corpo de Chávez ficará exposto mais sete dias e depois será embalsamado

Chávez, Vargas e Perón: um legado latino-americano

Em geral, para muitos dos seguidores do presidente, o líder venezuelano se 'imolou' como um 'último gesto de amor' por seu povo.

A morte de Chávez também deu lugar a teorias conspiratórias. Parte de seus apoiadores pediram, durante o funeral, que se esclarecesse o que consideram um 'assassinato'.

Segundo eles, o câncer do presidente venezuelano teria sido induzido por 'inimigos do regime', como chegou a aventar o vice-presidente do país, Nicolas Maduro.

O que acontece no mundo passa por aqui

Moda, esportes, política, TV: as notícias mais quentes do dia

    Access log