Internacional Chanceleres do G7 se reúnem presencialmente após dois anos

Chanceleres do G7 se reúnem presencialmente após dois anos

Último encontro presencial do grupo foi em 2019 e, desde então, as reuniões foram por videoconferência por conta da pandemia

  • Internacional | Da AFP

Última reunião presencial foi realizada em Dinard, na França

Última reunião presencial foi realizada em Dinard, na França

ANDREW HARNIK/REUTERS

O Reino Unido anunciou nesta terça-feira (20) que os ministros das Relações Exteriores do G7 realizarão em maio sua primeira reunião presencial em dois anos, sob presidência britânica.

A última reunião presencial dos chanceleres das principais potências econômicas aconteceu em Dinard, no noroeste da França, em abril de 2019. Desde então, os contatos foram feitos à distância, por vídeoconferência, devido à pandemia de covid-19.

Leia mais: Osaka pede ao governo japonês estado de emergência por covid-19

Na reunião, que acontecerá em Londres de 3 a 5 de maio, serão aplicadas medidas rígidas de segurança contra a covid que incluirão testes diários, explicou o ministro das Relações Exteriores britânico, Dominic Raab.

Esta é uma "oportunidade crucial para revitalizar a diplomacia pessoalmente", afirmou seu ministério em um comunicado.

O encontro vai focar na resposta global à pandemia, especialmente nas vacinas, e deve permitir "mostrar como as maiores democracias do mundo trabalham juntas" em uma série de questões urgentes, destacou.

Entre os assuntos que serão debatidos estão o acesso das meninas à educação, o financiamento de projetos climáticos e as formas de abordar a fome e a insegurança alimentar.

Leia mais: Pelo menos 53 pessoas testam positivo para covid-19 após voo

Já os chefes de Estado e de Governo do G7 devem se reunir em uma cúpula anual em junho na Cornualha, no sudoeste da Inglaterra. A do ano passado, nos Estados Unidos, foi cancelada.

Em Londres, representantes da União Europeia se juntarão aos chanceleres do Reino Unido, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão e Estados Unidos. Também foram convidados Índia, Austrália, Coreia do Sul, África do Sul e a Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN).

Últimas