Internacional Chefe da junta militar de Mianmar agradece apoio da Rússia

Chefe da junta militar de Mianmar agradece apoio da Rússia

O general Min Aung Hlaing destacou o suporte dado ao exército birmanês e o reconhecimento do governo após o golpe militar

AFP
Segundo general, apoio russo tornou o exército de Mianmar 'um dos mais poderosos da região'

Segundo general, apoio russo tornou o exército de Mianmar 'um dos mais poderosos da região'

Stringer / AFP - Arquivo

O chefe da junta militar que governa Mianmar desde o golpe de 1º de fevereiro, o general Min Aung Hlaing, agradeceu nesta terça-feira (22) à Rússia o reforço do exército de seu país, que, segundo disse, se tornou "um dos mais poderosos da região".

Leia também: ONU: número de deslocados por guerras e crises dobrou em 10 anos

"Graças à Rússia, nosso exército se tornou um dos mais fortes da região", disse Min Aung Hlaing, durante uma reunião com o ministro da Defesa russo, Serguéi Shoigú, informou a agência oficial TASS.

A amizade entre os dois países também é cada vez "mais forte", disse o general birmanês.

"Mianmar é um parceiro estratégico para nós (...) e um fiel aliado", disse Shoigú. "A cooperação no âmbito militar e técnico é uma parte importante das relações russo-birmanesas", afirmou.

"Estamos dispostos a continuar nos esforçando para fortalecer as relações bilaterais (...) e estamos abertos ao diálogo mútuo sobre qualquer tipo de questão", afirmou o ministro.

Desde o golpe de Estado de 1º de fevereiro, a Rússia reafirmou seu apoio aos militares que derrubaram e prenderam a ex-líder birmanesa Aung San Suu Kyi.

Desde fevereiro, a junta realiza uma violenta repressão dos protestos contra o golpe, que deixa mais de 860 mortos, entre eles mulheres e crianças, segundo a Associação de Ajuda aos Presos Políticos (AAPP).

Últimas