Internacional Chefe da ONU pede respeito aos direitos das mulheres afegãs

Chefe da ONU pede respeito aos direitos das mulheres afegãs

António Guterres faz apelo à comunidade internacional para liberar fundos do país e evitar que famílias vendam bebês por comida

AFP
Mulheres afegãs protestam contra perda de direitos com chegada do Talibã

Mulheres afegãs protestam contra perda de direitos com chegada do Talibã

Wakil KOHSAR / AFP

Os talibãs devem reconhecer "os direitos humanos básicos de mulheres e meninas", e a comunidade internacional deve liberar os fundos afegãos congelados para evitar que as famílias vendam seus bebês por comida — declarou o secretário-geral da ONU, António Guterres, nesta quarta-feira (26).

"Pedimos aos talibãs que aproveitem este momento e conquistem a confiança e a boa vontade da comunidade internacional, reconhecendo — e defendendo — os direitos humanos fundamentais de todas as meninas e mulheres", afirmou Guterres, durante uma reunião do Conselho de Segurança.

"Estou profundamente preocupado com os relatos recentes de prisões arbitrárias e sequestros de ativistas" e "faço um enérgico apelo por sua libertação", acrescentou.

Guterres exortou "a comunidade internacional a reforçar seu apoio ao povo afegão", em particular, mediante a liberação de fundos congelados em Washington pelo Banco Mundial e pelos Estados Unidos, enquanto "o Afeganistão está no fio da navalha".

O organismo internacional deve "desbloquear urgentemente 1,2 bilhão de dólares (cerca de R$ 6,4 bilhões)" destinados à reconstrução do Afeganistão.

"Mais da metade dos afegãos enfrentam níveis extremos de fome", frisou, observando, em seguida, que "algumas famílias estão vendendo seus bebês para comprar comida".

Presidida pelo primeiro-ministro norueguês, Jonas Gahr Store, cujo país encabeça o Conselho de Segurança em janeiro, a sessão tem como objetivo esclarecer os contornos do mandato da missão política da ONU no Afeganistão, a qual expira em 17 de março.

Últimas