Chefe de Saúde da Escócia se demite após violar regras de confinamento

Catherine Calderwood, que fazia parte da equipe de crise do coronavírus, viajou duas vezes para o interior do país e chegou a ser advertida pela polícia

Chefe de Saúde da Escócia se demite

Catherine Calderwood aconselhava gestão da pandemia na Escócia

Catherine Calderwood aconselhava gestão da pandemia na Escócia

Jeff J Mitchell/Pool via Reuters - 12.3.2020

A chefe de saúde do governo da Escócia, Catherine Calderwood, responsável pelo aconselhamento sobre a gestão da crise do novo coronavírus, pediu demissão após a revelação de que ela violou as regras de confinamento, visitando por dois fins de semana consecutivos sua residência fora de Edimburgo.

Calderwood anunciou no domingo à noite que deixaria o posto depois que o jornal The Scottish Sun publicou fotos dela em sua casa na cidade de Fife, a mais de uma hora da capital escocesa, onde reside regularmente.

- Acompanhe a cobertura sobre a pandemia de coronavírus no R7 -

Nas fotos, Calderwood, que tem sido o rosto de várias campanhas institucionais pedindo à população que fique em casa, apareceu ao lado de seu marido e filhos, o que levou a polícia a avisá-la de que a viagem não era permitida.

Ontem, Catherine Calderwood apareceu ao lado da primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, na entrevista coletiva diária oferecida pelo governo regional e pediu desculpas por ter cometido um "erro", mas disse estar disposta a continuar no cargo, depois de, segundo ela, ter consultado a premier.

Pressão da opinião pública

No entanto, horas depois, a pressão da opinião pública, através de comentários nos jornais e redes sociais criticando seu comportamento, provocou sua demissão.

Em declarações à imprensa, Nicola Sturgeon disse que Calderwood "cometeu um erro e as pessoas têm razão em ficar com raiva", então era melhor ela se retirar, devido ao "dano" que seu exemplo poderia causar "à importante mensagem que o governo está divulgando e está focado em pedir à população que não viaje e fique em casa".

Porém, ela ressaltou que, embora seja substituída como chefe do departamento de Saúde, continuará assessorando o governo na gestão da pandemia.