Novo Coronavírus

Internacional Chile recebe as primeiras vacinas de Oxford e aplicará só em homens

Chile recebe as primeiras vacinas de Oxford e aplicará só em homens

Lote foi enviado pelo convênio Covax e não será administrado em mulheres pelo risco de formação de coágulos no sangue

  • Internacional | Da AFP

Governo chileno recebe primeiro lote de vacinas de Oxford nesta sexta-feira (23)

Governo chileno recebe primeiro lote de vacinas de Oxford nesta sexta-feira (23)

AFP/MINSAL

O Chile recebeu nesta sexta-feira (23) o primeiro lote de vacinas de Oxford contra a covid-19, que serão aplicadas apenas em homens, por recomendação de sua agência de saúde.

A remessa, com 158,4 mil doses, foi recebida pelo ministro da Saúde, Enrique Paris. “É a primeira vacina que chega pelo convênio Covax”, da Organização Mundial da Saúde (OMS), afirmou o ministro.

Chile: veterinários são acusados de usar vacina canina em 75 pessoas

O Chile é um dos países que avança mais rápido no processo de vacinação. Cerca de 7,9 milhões de pessoas foram imunizadas com pelo menos uma dose em uma população total de 19 milhões.

A vacina de Oxford vem gerando controvérsias, principalmente na Europa, devido aos temores gerados pelos raros casos de coágulos sanguíneos detectados, em especial em mulheres.

Nesta sexta-feira, a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) disse que uma revisão que realizou da vacina mostrou que seus benefícios aumentam com a idade e que superam os riscos.

Na semana passada, o Instituto de Saúde Pública (ISP) do Chile, que em janeiro concedeu autorização de emergência para essa vacina, recomendou seu uso em mulheres com mais de 55 anos e em homens acima dos 18.

Com base nessa recomendação, a subsecretária de Saúde, Paula Daza, anunciou nesta sexta que "todos os homens que aderirem ao calendário a partir da próxima semana receberão a vacina de Oxford. Ela será administrada apenas em homens".

A segunda dose será administrada 12 semanas após a primeira.

Enquanto isso, o ministro da Saúde afirmou que a pasta estuda incluir gestantes no programa de vacinação. "Começará o mais rápido possível, quando tivermos todas as informações científicas", disse.

Para as gestantes, será escolhida a vacina da Pfizer, que também é aplicada no Chile em conjunto com a CoronaVac, do laboratório chinês Sinovac, acrescentou Paris.

Últimas