China

Internacional China deseja manter 'relações amistosas' com os talibãs

China deseja manter 'relações amistosas' com os talibãs

Porta-voz da diplomacia chinesa disse nesta segunda (16) que país 'respeita  o direito do povo afegão a decidir seu próprio destino'

AFP
Soldado chinês faz guarda em frente à embaixada do Afeganistão em Pequim

Soldado chinês faz guarda em frente à embaixada do Afeganistão em Pequim

Noel Celis / AFP - 16.8.2021

A China, que compartilha 76 quilômetros de fronteira com o Afeganistão, afirmou nesta segunda-feira que deseja manter "relações amistosas" com os talibãs, um dia depois da entrada dos insurgentes em Cabul e do colapso do governo.

Leia também: Vídeo mostra pessoas caindo de avião dos EUA que deixava Cabul

A China "respeita o direito do povo afegão a decidir seu próprio destino e futuro e deseja seguir mantendo relações amistosas e de cooperação com o Afeganistão", afirmou à imprensa a porta-voz da diplomacia chinesa, Hua Chunying.

"Os talibãs indicaram várias vezes a esperança de desenvolver boas relações com a China", completou a porta-voz, antes de afirmar que a embaixada chinesa em Cabul "continua funcionando normalmente".

O governo chinês classificou nas últimas semanas de "irresponsável" a retirada dos Estados Unidos do Afeganistão, por temer uma guerra civil no país vizinho.

Diante do risco de caos no Afeganistão, o governo chinês iniciou em setembro de 2019 conversações com os talibãs. Uma delegação do movimento foi recebida na época na China.

Pequim incluiu em 2016 o Afeganistão em seu grande projeto de infraestruturas, as "Novas Rotas da Seda". Mas, por falta de segurança, os investimentos chineses foram modestos no país: 4,4 milhões de dólares em 2020, segundo o ministério do Comércio.

Últimas