China

Internacional China: presos de minorias étnicas sofrem extração forçada de órgãos

China: presos de minorias étnicas sofrem extração forçada de órgãos

Especialistas da ONU revelam que ficaram 'extremamente alarmados' com as informações confidenciais recebidas

AFP
Especialistas da ONU divulgaram as informações através de relatório

Especialistas da ONU divulgaram as informações através de relatório

Pixabay

Especialistas da ONU informaram, nesta segunda-feira (14), que receberam "informações confiáveis" de que prisioneiros de minorias étnicas, linguísticas e religiosas são submetidos à extração forçada de órgãos na China.

Esses especialistas - que receberam mandato da ONU, mas que não falam em nome das Nações Unidas - disseram que ficaram "extremamente alarmados" com as informações recebidas.

Leia mais: Brasileiro que vive na Europa conta como está a retomada do turismo

A China é regularmente acusada por membros da seita Falun Gong - proibida no país asiático - de se envolver na extração forçada de órgãos de seus seguidores presos. Pequim sempre negou firmemente tais acusações.

Em um comunicado, os relatores especiais, bem como os especialistas do Grupo de Trabalho da ONU sobre Detenção Arbitrária, indicam que as remoções também têm como alvo uigures, tibetanos, muçulmanos e cristãos detidos na China.

"As extrações forçadas de órgãos na China parecem ter como alvo representantes de minorias étnicas, linguísticas, ou religiosas, que estão detidos, muitas vezes sem serem informados os motivos de sua prisão, ou sem um mandado de prisão", apontam os especialistas.

"Segundo as denúncias recebidas, os órgãos mais retirados dos presos são corações, rins, fígados, córneas e, mais raramente, pedaços de fígado. Essa forma de tráfico médico envolveria profissionais da área de saúde, inclusive cirurgiões, anestesistas e outros especialistas médicos", explicam.

Eles também indicam que a questão já foi levantada anteriormente, junto a Pequim, por outros especialistas em direitos humanos da ONU em 2006 e em 2007, mas sem sucesso.

Leia mais: Presidente da Colômbia recebe 1ª dose da vacina contra a covid-19

O comunicado afirma que as respostas do governo chinês foram insuficientes, devido à falta de dados, nomeadamente sobre o tempo de espera para a atribuição de órgãos, ou de informações sobre a origem dos órgãos.

"Neste contexto, a falta de dados disponíveis e de sistemas de compartilhamento de informações constitui um obstáculo à identificação e proteção das vítimas (...), bem como à eficácia das investigações e processos contra os traficantes", informa o comunicado.

A China negou, em várias ocasiões, as acusações de extração forçada de órgãos de prisioneiros políticos.

A tradição chinesa determina que uma pessoa morta seja enterrada sem mutilação, e são poucos os chineses que aceitam doar seus órgãos.

Durante décadas, a maioria das operações foi, portanto, realizada com órgãos retirados de condenados à morte, ou de presos após sua morte, muitas vezes sem o consentimento das famílias, acreditam ONGs especializadas - o que as autoridades negam.

Pequim baniu oficialmente essa prática a partir de janeiro de 2015, mas sem apagar as preocupações.

Últimas