Internacional China sanciona EUA e Canadá após críticas sobre uigures

China sanciona EUA e Canadá após críticas sobre uigures

Medida é retaliação depois de países, UE e Reino Unido anunciarem sanções contra membros da liderança política e econômica chinesa

China anuncia sanções a pessoas e entidades dos EUA e Canadá

China anuncia sanções a pessoas e entidades dos EUA e Canadá

REUTERS/Jason Lee/Illustration/File Photo

A China anunciou neste sábado (27) sanções contra três pessoas e uma entidade dos Estados Unidos e Canadá, em resposta às medidas adotadas pelos dois países recentemente devido ao tratamento que Pequim reserva à minoria uigur.

Dois membros da americana Comissão para a Liberdade Religiosa Internacional, o deputado canadense Michael Chong e um parlamentar do mesmo país que integra o Comitê de Direitos Humanos estão proibidos de entrar na China, em Hong Kong e Macau, anunciou o ministério chinês das Relações Exteriores.

Ao menos um milhão de uigures e pessoas que pertencem  a outros grupos muçulmanos estão retidos em campos da região de Xinjiang (noroeste), de acordo com grupos de defesa dos direitos humanos, que acusam o governo chinês de impor trabalhos forçados e de esterilizar as mulheres.

União Europeia, Grã-Bretanha, Canadá e Estados Unidos anunciaram sanções contra vários membros da liderança política e econômica em Xinjiang esta semana, com o objetivo de exercer pressão, o que provocou uma rápida represália diplomática de Pequim, na forma de sanções contra indivíduos na UE e Grã-Bretanha.

O ministério chinês das Relações Exteriores acusou neste sábado Estados Unidos e Canadá de impor sanções "baseadas em boatos e desinformação".

Os funcionários ocidentais objetos de sanções não poderão fazer negócios com nenhum cidadão ou empresa da China.

Estas pessoas "devem parar de manipular politicamente tudo que tem relação com Xinjiang e parar de interferir nos assuntos internos da China", advertiu o ministério.

Últimas