Internacional Ciberataque a oleodutos não foi feito por governo russo, diz Biden

Ciberataque a oleodutos não foi feito por governo russo, diz Biden

Contudo, presidente dos EUA afirma os hackers que invadiram o sistema da Colonial Pipeline residem na Rússia

Ciberataque atingiu maior empresa de oleodutos dos EUA

Ciberataque atingiu maior empresa de oleodutos dos EUA

EFE/EPA/T.J. Kirkpatrick

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse nesta quinta-feira (13) que o ataque cibernético que paralisou por vários dias a maior rede de oleodutos do país veio da Rússia, mas descartou o envolvimento do governo de Moscou.

Falando aos repórteres na Casa Branca, Biden salientou que as autoridades americanas têm "fortes razões" para acreditar que os hackers residem na Rússia.

Nesse sentido, frisou que seu governo manteve "comunicações diretas" com Moscou para agir contra os criminosos, e que ele mesmo pretende conversar com o presidente russo, Vladimir Putin, sobre a necessidade de agir contra os ciberataques.

"Estamos trabalhando para tentar chegar a um ponto em que tenhamos uma espécie de padrão internacional para que governos que sabem que há atividade criminosa no seu território possam atuar", declarou Biden.

O presidente americano detalhou que o Departamento de Justiça dos EUA criou uma força-tarefa dedicada a perseguir hackers que utilizam o ransomware, um programa que bloqueia o acesso à informação em troca do pagamento de uma recompensa para liberá-la e que foi empregado no ataque à rede de oleodutos.

Leia mais: Chilenos criam app que dá 'match' entre eleitores e candidatos

O FBI acusou o grupo Darkside, com sede no Leste Europeu, de ser o responsável pelo ciberataque da última sexta-feira na rede de oleodutos, operada pela empresa Colonial, que causou a interrupção das suas atividades durante vários dias.

Na quarta-feira, a Colonial anunciou a retomada das suas operações, embora tenha advertido que o fluxo de abastecimento levará vários dias para chegar ao nível usual. Por sua parte, Biden disse que o governo espera que a situação regresse ao normal dentro dos próximos sete dias.

"Esperamos que a situação comece a melhorar até ao final da semana ou no início da próxima, com o regresso total do abastecimento de gasolina", comentou o presidente americano, que reforçou o apelo das autoridades aos consumidores para que não entrem em pânico e não armazenem combustível em casa.

A Colonial informou nesta quinta-feira em comunicado que os trabalhos para retomar o fluxo total na rede de oleodutos estavam progredindo e que todos os mercados que servem seriam abastecidos ao longo do dia de hoje.

Essa rede fornece combustível a 45% do mercado da Costa Leste dos EUA e transporta até 2,5 milhões de barris de gasolina, diesel e combustível para aviação por dia das refinarias no Golfo do México para o sul e o leste dos EUA.

Últimas