Novo Coronavírus

Internacional Cidade italiana pagará 500 euros a famílias de vítimas de covid-19

Cidade italiana pagará 500 euros a famílias de vítimas de covid-19

Bergamo esteve no epicentro da pandemia de novo coronavírus no país e registrou cerca de 3 vezes mais mortes que o normal entre março e maio

  • Internacional | Da Ansa Brasil

Cidade de Bergamo triplicou número de mortes entre maio e março

Cidade de Bergamo triplicou número de mortes entre maio e março

Flavio Lo Scalzo/Reuters - 13.4.2020

A Prefeitura de Bergamo, no norte da Itália, pagará 500 euros (cerca de R$ 3 mil, pela cotação atual) para famílias que perderam um ou mais integrantes em função da pandemia do novo coronavírus.

A cidade foi uma das mais atingidas pela crise sanitária e chegou a ter filas de caminhões do Exército para remover corpos em cemitérios e crematórios que não conseguiam dar conta da quantidade de mortos.

Veja também: Bergamo, foco da pandemia na Itália, trabalha para fechar 'ferida'

O benefício é fruto de uma parceria entre a ONG Associação Homo e as empresas municipais de serviços fúnebres e gestão de cemitérios. A iniciativa prevê a distribuição de pelo menos 150 mil euros, o que garantiria o auxílio para 300 famílias.

O programa é destinado a núcleos familiares residentes em Bergamo e que tenham arcado com despesas fúnebres de parentes mortos na pandemia entre 1º de março e 15 de maio de 2020.

1.900 casos de covid-19

Com cerca de 120 mil habitantes, a cidade registra cerca de 1,9 mil casos do novo coronavírus, mas o número de óbitos é incerto, já que o Ministério da Saúde e a região da Lombardia divulgam apenas os dados por província.

No entanto, um levantamento feito pelo Instituto Nacional de Estatística (Istat) mostra que a cidade registrou 1.021 óbitos entre 1º de março e 31 de maio, contra uma média de 350 nos cinco anos anteriores.

Com isso, o "excesso" de mortes em relação à média no município de Bergamo durante a pandemia seria de 671. A Itália inteira tem 243.061 casos e 34.954 falecimentos causados por covid-19.

Últimas