Internacional Colômbia diz que retoma conversas de paz se 19 reféns forem soltos

Colômbia diz que retoma conversas de paz se 19 reféns forem soltos

Exército de Libertação Nacional estava em negociações com o governo do ex-presidente Juan Manuel Santos desde fevereiro de 2017

colômbia, conversas, paz, reféns

Ceballos concede entrevista à Reuters em Bogotá

Ceballos concede entrevista à Reuters em Bogotá

Reuters/Luisa Gonzalez/31-08-18

Rebeldes marxistas colombianos do ELN precisam libertar todos os 19 reféns que mantêm antes de o presidente Ivan Duque, que está avaliando conversas de paz com o grupo, retomar diálogos, disse nesta sexta-feira uma autoridade sênior do governo.

O Exército de Libertação Nacional estava em negociações com o governo do ex-presidente Juan Manuel Santos desde fevereiro de 2017.

A última rodada de conversas em Cuba entre o governo colombiano e o ELN terminou em 1º de agosto. Duque, que assumiu em 7 de agosto, disse que o grupo deve encerrar todas as suas atividades criminosas e violência para continuar negociações.

Miguel Ceballos, alto comissário do governo para a paz, disse em entrevista que “todos os sequestrados – não somente os nove sequestrados no mês passado – precisam ser libertados, e isto deve ser imediato”.

Ele afirmou que o prazo para libertá-los irá terminar em uma semana e que um refém está sendo mantido desde 2002.

Duque, de direita, disse em discurso de posse que irá revisar as negociações e tomar uma decisão dentro de 30 dias.

Acompanhe o noticiário internacional do R7

O ELN, fundado por padres católicos radicais, é considerado uma organização terrorista pelos Estados Unidos e pela União Europeia. O grupo tem travado uma guerra de cinco décadas contra o governo, realizando ataques a bombas, sequestros, extorsões e sabotagens de oleodutos.

“A vontade deles ainda não é clara, mas nós podemos sentar e conversar e perguntá-los se eles realmente ... estão pensando em abandonar suas armas e se juntar à sociedade”, disse Ceballos.

O ELN disse em publicação no Twitter nesta sexta-feira: “O ELN confirma sua boa vontade em dialogar ... Nós continuamos em Cuba aguardando a delegação do governo.”