Colômbia fecha fronteiras para evitar transmissão de coronavírus

País tem 57 casos da doença, a maioria deles em pessoas que viajaram recentemente para a Espanha. Fronteiras ficarão fechadas até dia 30 de maio

Duque anuncia o fechamento de fronteiras

Duque anuncia o fechamento de fronteiras

Luisa Gonzalez/Reuters - 10.3.2020

A Colômbia fechará todas as suas fronteiras terrestres, marítimas e fluviais a partir desta terça-feira (17) até 30 de maio, em uma medida adicional às já adotadas para tentar conter a propagação do coronavírus no país, segundo anúncio feito hoje pelo presidente Ivan Duque.

"Tomei a decisão de fechar, a partir desta meia-noite (hora local, mesma de Brasília), todas as fronteiras terrestres, marítimas e fluviais do país. As fronteiras da Colômbia serão fechadas a partir deste 17 de março de 2020 até 30 de maio próximo", disse Duque em suas redes sociais.

De acordo com o último boletim do Ministério da Saúde, 57 casos de coronavírus foram confirmados até agora na Colômbia, a maioria deles em pessoas que viajaram recentemente para a Espanha.

Duque explicou que o fechamento da fronteira restringirá a entrada e saída de nativos e estrangeiros do país, e esclareceu que durante esse tempo será permitido o transporte de carga para a entrada e saída de produtos através dos pontos terrestres autorizados.

Fronteiras de 6.302 quilômetros

A Colômbia tem fronteiras terrestres com Brasil (1.645 quilômetros), Peru (1.626 km), Equador (586 km) e Panamá (226 km), além da Venezuela (2.219 quilômetros), a qual já estava fechada desde sábado.

Com excepção das fronteiras com venezuelanos e equatorianos, que têm um intenso movimento de pessoas e bens através de vários postos fronteiriços, os outros estão em territórios de selva. Na região amazônica há uma fronteira tripla formada pelas cidades de Leticia (Colômbia), Tabatinga (Brasil) e Santa Rosa de Yavarí (Peru).

A decisão foi tomada após uma reunião por teleconferência entre Duque e vários chefes de Estado do chamado Fórum para o Progresso e Desenvolvimento da América do Sul (Prosul). Também participaram os presidentes de Chile, Sebastián Piñera; Argentina, Alberto Fernández; Bolívia, Jeanine Áñez; Equador, Lenin Moreno; Paraguai, Mario Abdo Benítez; Peru, Martín Vizcarra; e Luis Lacalle Pou, do Uruguai, além do ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo.

No encontro, eles concordaram em proteger as fronteiras de forma "coordenada e eficaz" e facilitar o retorno de pessoas aos seus respectivos países como medidas preventivas.

"Essas medidas são tomadas para exercer controles e evitar uma rápida disseminação do vírus, que só depende do trabalho coordenado de todos", acrescentou o presidente colombiano.

Suspensões e restrições

A fim de conter o avanço do coronavírus, o governo colombiano tomou medidas como restringir a entrada de estrangeiros no país, exceto aqueles com residência na Colômbia, assim como cancelar aulas em escolas públicas e particulares e antecipar as férias de meio do ano dos alunos.

O que o governo Duque ainda não fez foi cancelar os voos do exterior, uma medida que, segundo o ministro da Saúde, Fernando Ruiz, foi evitada, pelo menos por enquanto, para permitir o retorno dos colombianos que foram surpreendidos pela pandemia no exterior.

"O que procuramos essencialmente é repatriar os colombianos que, por diferentes razões de negócios, viagens, turismo, estavam fora do país e têm todo o direito de voltar para casa. Sem dúvida, isso pode gerar traumas", justificou Ruiz em entrevista coletiva.

Além disso, quatro dos 32 departamentos da Colômbia decretaram um toque de recolher nesta segunda-feira como medida para combater a propagação do SARS-CoV-2. As medidas, que entrarão em vigor esta noite, foram tomadas pelas autoridades departamentais de Córdoba, Meta, Quindío e Santander e são complementares às decisões do governo nacional.