Com poucas restrições, Suécia passa de 2 mil mortos por covid-19

País nórdico mantém até bares e restaurantes abertos em meio à pandemia e agora tem mais mortos que todos os seus vizinhos somados

Suecos enchem parque em Estocolmo; país quase não tem restrições

Suecos enchem parque em Estocolmo; país quase não tem restrições

Anders Wiklund / EFE - EPA - 22.4.2020

A Suécia, país que apostou em uma linha menos restritiva para combater a pandemia do novo coronavírus que outros países europeus, superou nesta quinta-feira (23) os 2 mil mortos pela covid-19, segundo os últimos dados oficiais.

Leia também: Com erros, Turquia se aproxima dos 100 mil casos de coronavírus

O último relatório divulgado pelo governo sueco mostra 16.755 infectados, 751 a mais do que na quarta-teira, e 2.021 mortos, 84 a mais. No entanto, esse crescimento foi menor do que em dias anteriores.

Pico de contágios

A Agência de Saúde Pública do país ressaltou que o aumento de infectados se deve principalmente aos casos procedentes de Estocolmo, que teria alcançado o pico da curva de contágios no dia 8 deste mês, segundo um modelo matemático que calcula que, no início de maio, um quarto da população terá contraído o vírus.

O Parlamento sueco aprovou, na semana passada, uma lei emergencial que permite que o Executivo possa fechar portos, aeroportos, estações de trem, centros comerciais e restaurantes, além de redistribuir material sanitário e medicamentos sem passar pelo Legislativo.

O governo, que ainda não colocou a lei em prática, por enquanto mantém sua estratégia de informar as recomendações gerais para proteger principalmente os grupos de risco, e apelar para a responsabilidade individual. Algumas medidas restritivas foram introduzidas de forma progressiva.

A Suécia não fechou creches nem escolas de nível fundamental, mas de nível médio e universidades sim, Também mantém abertos bares e restaurantes, mas com restrições, como proibir concentraçoes de mais de 50 pessoas, seguindo as recomendações das autoridades de saúde.

Alerta do governo

O primeiro-ministro sueco, o social-democrata Stefan Löfven, alertou esta semana que a situação segue "grave" e que a situação ainda não foi superada, reforçando o pedido de responsabilidade individual para seguir as recomendaçoes, e ressaltou que as restrições podem durar "meses".

Ainda que a Suécia esteja longe dos números de infectados e mortos de países como Espanha, França ou Reino Unido, seus números são bem piores que os do restante de seus vizinhos nórdicos, que adotaram medidas mais severas, mesmo que sem confinamento.

Com aproximadamente a metade da população da Suécia, a Dinamarca (com 5,8 milhões de habitantes) registra 384 mortos por covid-19, a Noruega (5,4 milhões) tem 189 e a Finlândia (5.5 milhões), 172. A Suécia, com 10,5 milhões de habitantes. tem quase o triplo de óbitos dos três vizinhos somados.