Novo Coronavírus

Internacional Com UTIs lotadas, Guayaquil enfrenta situação 'alarmante'

Com UTIs lotadas, Guayaquil enfrenta situação 'alarmante'

Cidade equatoriana que foi duramente atingida no início da pandemia volta a chegar perto do colapso hospitalar

  • Internacional | Da EFE

UTIs de Guayaquil, maior cidade do Equador, voltaram a lotar nas últimas semanas

UTIs de Guayaquil, maior cidade do Equador, voltaram a lotar nas últimas semanas

Mauricio Torres / EFE - Arquivo

Cidade mais populosa do Equador, com cerca de 2,6 milhões de habitantes, Guayaquil, que no início da pandemia do novo coronavírus sofreu um colapso do sistema de saúde e dos serviços funerários, vive atualmente uma situação "alarmante" devido aos casos de covid-19, segundo a prefeitura.

Leia também: Vacinação avança lentamente na América Latina 100 dias após início

O coordenador de Epidemiologia do Conselho Municipal, Carlos Farhat, anunciou nesta segunda-feira, em entrevista coletiva, que o comportamento da pandemia na cidade está em um "tipo de platô, mas com um alto número de casos", enquanto o número médio de pacientes que testaram positivo em exames PCR nas últimas três semanas é de cerca de 1 mil.

"As UTIs estão 100% ocupadas em todos os hospitais", ressaltou Farhat, que também revelou que a ocupação de todas as áreas de internação é de 83%.

Ainda segundo Farhat, 70% dos pacientes admitidos são de Guayaquil e 30% de outras cidades. A mortalidade é de 22 a 23 pacientes por dia, e a idade média dos falecidos é de 71 anos.

"A situação continua alarmante, grave", enfatizou o coordenador, além de lamentar um "comportamento imprudente" dos moradores, que fazem reuniões clandestinas.

A província de Guayas, da qual Guayaquil é a capital, está em estado de emergência desde a última sexta-feira, com toque de recolher e restrições à circulação de veículos para conter a propagação da doença.

O Equador já registrou mais de 335 mil casos de covid-19 e 16.900 mortes em decorrência dela desde o início da pandemia.

Últimas